Influenciador

José Horta Manzano

Se covardia fosse crime, muita gente estaria na cadeia, condenada à perpetuidade. Aliás, nosso capitão, legítimo integrante dessa turma, já faz tempo que teria sido defenestrado e encarcerado. Infelizmente, covardia não é crime. É atitude baixa, feia, reprovável, indigna, odiosa, mas, a rigor, crime não é.

Outro dia, os jornais deram notícia de um brasileiro que, em viagem turística ao Cairo, deu mostra de baixeza de caráter. Ofendeu uma vendedora jovem e ingênua. Ridicularizou-a usando expressões de botequim pronunciadas em português, língua que a moça desconhecia. Orgulhoso da proeza, documentou a cena em som e imagem. E publicou nas redes.

O vídeo circulou, saiu de controle, acabou chegando às mãos das autoridades egípcias – que não apreciaram nadinha o episódio. Chamaram o rapaz para investigação. Enquanto corriam as averiguações, ele ficou detido. Com medo, desmanchou-se em desculpas, declarou-se arrependido. Magnânima, a vendedora ofendida perdoou publicamente o ofensor. Ao cabo de uma semana, as autoridades soltaram o rapaz.

Estranhei a duração da prisão. Uma semana por uma molecagem digna de adolescente retardado me pareceu muita coisa. Dizem os jornais que o indivíduo é médico. Dizem também que é “influenciador”, seja lá o que isso significar. Acrescentam que ele faz parte do círculo de devotos de nosso capitão. Quando li isso, entendi.

Faz um ano e meio que Bolsonaro, logo no comecinho de sua desastrada aventura presidencial, declarou ter intenção de transferir a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. De lá pra cá, as barbaridades presidenciais foram tantas que, no Brasil, poucos se lembram disso. A memória acaba se perdendo diante do fluxo contínuo de horrores que emanam do Planalto. Só que, no mundo árabe, ainda está vivíssimo o trauma que o anúncio causou.

No episódio do turista ofensor, as autoridades egípcias hão de ter sido informadas de que o engraçadinho, além de brasileiro, era devoto do capitão. Foi a conta. Cadeia nele! Não fosse o perdão concedido pela vendedora, era bem capaz de ainda estar mofando nas masmorras egípcias.

A desconfiança e a má vontade com que brasileiros são recebidos no exterior é “efeito colateral” da política externa do capitão. Sofremos todos, mas bolsonaristas sofrem ainda mais.

Fico pensando nos seguidores desse “influenciador”. Imagino que tenha um séquito de “influenciados”. Francamente, já não se fazem gurus como antigamente. Pobres seguidores!