Inadequação vocabular ‒ 7

José Horta Manzano

Folheando um dos grandes quotidianos nacionais, topo com uma colorida foto que ilustra uma matéria sobre a retomada do ritmo de consumo.

Em primeiro plano, aparece uma vistosa banca ‒ ou gôndola, como se deve dizer ‒ carregada de frutas. Em cima, em letras brancas sobre fundo vermelho, está escrito com todas as letras «Frutas Exóticas».

Debaixo do cartaz, distingo goiabas e, se não me traem os olhos, mamões. Fica claro que quem determinou classificar goiabas e mamões como «frutas exóticas» ignora o significado da palavra.

O Sherlock aqui reconstruiu o caminho da esquisitice. O gerentão da empresa, pessoa viajada, há de ter visitado dúzias de supermercados de França, Oropa e Bahia. Em todos eles, sob a indicação «frutas exóticas», encontrou goiabas, papaias, mangas, abacates. Logo, deduziu que a denominação se referia a essa classe de frutos. Não hesitou em reproduzir, na própria loja, as palavras que soam tão chiques.

Bobeou. Exótico, do latim exoticus, carrega o prefixo grego exô (o ex latino), que indica fora de. A palavra se aplica àquilo que vem de fora, que não é daqui, que é forasteiro ou de origem estrangeira.

Na Europa, na América do Norte e em toda região de clima temperado, goiabas e mamões não crescem. Têm de ser importados. Como vêm de fora, são ditos «frutos exóticos».

No Brasil, não é assim. Em virtude do clima, as frutas tropicais são justamente as mais comuns. Para nós, exóticos são frutos como o abricô (damasco), a avelã, o mirtilo e outras raridades.

Pet

José Horta Manzano

Tudo o que vem de fora desperta curiosidade. No Brasil, esse fenômeno é levado ao paroxismo. Tudo o que for estrangeiro não só chama a atenção, mas também é tido como melhor, superior, mais eficaz, mais chique.

Estes últimos anos, a importação maciça de produtos chineses de segunda linha tem abalado um pouco essa característica nacional. A tendência a cair na real é positiva, mas ainda tímida.

Anúncio 5Nos tempos de antigamente, chique mesmo é o que vinha da França: modas, objetos, palavras. Bastava dizer que era de Paris, e pronto: o sucesso da novidade estava garantido. Lingerie, buffet, petit-pois são remanescentes, entre milhares. De uns anos pra cá, os ventos mudaram de quadrante.

Hoje em dia, palavras francesas perderam prestígio. A língua inglesa está por cima da carne seca. Liquidação, palavra chué, deu lugar a sale. É coisa fina.

Tenho recebido, de um dos grandes jornais brasileiros, convites repetidos para tornar-me assinante. Em três anos, já me mandaram 255 mails, numa média de um a cada quatro dias. As mensagens não me incomodam. Já o texto, sim. Propõem assinatura. Não com desconto, que isso é coisa de pobre. Oferecem 50% off. Supimpa!

Tem uma palavra que me faz sempre sorrir. Os tradicionais e simpáticos bichinhos de estimação não são mais bichos nem animais. Nem o melhor amigo do homem escapou. Agora o termo pet serve para todos. Até lojas onde se vendem animais de companhia chamam-se agora pet-shops.

É a vingança do francês. A origem mais apontada para o inglês pet é petty, que vem direto do francês petit (= pequeno). O mundo dá voltas mas é… pequeno.

Masque 1Na França, a novidade jamais será adotada, é certeza. A palavra pet é parente e tem o mesmo significado do italiano peto e do espanhol pedo. Pra poupar ouvidos sensíveis, dou tradução alternativa: flatulência. Essa é a realidade, não há como escapar.

Uma loja parisiense que ousasse escrever na fachada «pet-shop» dificilmente teria sucesso. Para ouvidos de lá, o produto oferecido costuma ser fabricado em casa mesmo.

Interligne 18h

Curiosidade
Nossa palavra petardo (peça explosiva), frequentemente usada em jargão futebolístico, pertence à mesma família.