Ômicron x oméga

José Horta Manzano

Uma das características dos vírus é ter mutações frequentes, até em ritmo diário. O corona, causador da atual epidemia, não escapa a essa realidade. Cientistas do mundo inteiro transmitem à OMS as informações sobre as novas cepas de covid-19. Elas são então catalogadas e recebem um nome. A denominação é geralmente um código complicado, difícil de memorizar, composto de letras e números, não apropriado para difusão entre o grande público.

Toda cepa de periculosidade maior, que representa ameaça importante para o homem, tem direito a receber um nome especial. No caso do vírus que causa a covid-19, ficou decidido dar, a essas cepas perigosas, nome seguindo o alfabeto grego. Isso evitou dar-lhes o nome do país onde haviam surgido, o que podia ser estigmatizante.

A variante B.1.1.7, que foi primeiro identificada na Grã-Bretanha e que estava sendo chamada de “variante britânica” tornou-se Alfa. A cepa B.1.351, que apareceu na África do Sul, virou Beta. A variante P.1, chamada no princípio de “variante de Manaus” ou “variante brasileira”, tornou-se Gama. E assim por diante.

A série de cepas preocupantes, que começou em Alpha, já correu boa parte do alfabeto (Épsilon, Zeta, Eta, Theta, iota, Kappa, Lambda, Mu, Nu, Xi) e acaba de chegar ao Ômicron, que é a 15ª letra.

É curioso notar que o alfabeto grego tem as letras Ômicron e Oméga (que é, aliás, a última da lista). Ambas são de origem antiquíssima: provêm do alfabeto dos fenícios e, procurando mais longe, desconfia-se que derivem de certos hieróglifos egípcios.

Ômicron, “o pequeno” ou “micro o”, é composto de o + micron. Oméga, “o grande” ou “mega o”, é composto de o + mega. Essas partículas gregas são usadas frequentemente em nossa língua com o mesmo sentido de “grande” ou “pequeno”: megaevento, megaestrutura, microempresário, microfibra.

Esperemos que Ômicron faça jus a sua partícula e não nos cause senão “microperigos”. Em matéria de “megaproblemas”, já temos um híper, incrustado lá no Planalto. Já basta.

Variante Lota

José Horta Manzano

Faz uma semana, postei um artigo sobre as novas (e perigosas) variantes de covid-19 que têm aparecido com assustadora frequência. Expliquei que, no começo, cada uma tinha sido batizada com o nome do lugar ou do país onde tinha sido identificada pela primeira vez. Assim, tivemos a variante britânica, a brasileira ou de Manaus, a indiana, a sul-africana.

Só que a OMS – Organização Mundial da Saúde achou que não era boa ideia deixar que novas cepas recebessem nome de lugar ou de país. Esse costume podia acabar estigmatizando regiões inteiras do planeta e, como consequência extrema, podia até levar à não-notificação de novas variantes, de medo de que o nome do país ficasse malvisto.

Ficou então decidido atribuir uma letra grega a cada nova cepa. A antiga britânica virou Alfa; a sul-africana passou a chamar-se Beta; a de Manaus tornou-se Gama; a indiana, a mais perigosa até o momento, é hoje conhecida como variante Delta.

Contei também que outras variantes menos virulentas, das quais pouco se ouve falar, já estavam catalogadas, todas com letras gregas. Já se conhecem a Épsilon, a Zeta, a Eta, a Teta, a Iota, a Kappa e até a Lambda.

Certas matrizes de artes gráficas (popularmente conhecidas como fontes) têm a incômoda característica de usar exatamente o mesmo símbolo para o I maiúsculo e para o L minúsculo. As fontes da família Arial, amplamente utilizadas, têm essa peculiaridade. Veja só: ao deparar o símbolo l, não se pode afirmar de cara, sem examinar o contexto, se se trata de i maiúsculo ou de ele minúsculo.

É o que deve ter acontecido como o funcionário que redigiu um artigo provavelmente traduzido do inglês e publicado n’O Globo. Tanto a manchete quanto o corpo do artigo falam de uma certa variante “Lota”. Se vê que não leram meu post. Ou, se leram, não prestaram atenção. Lota não é letra grega, portanto, não pode ser nome de variante de covid-19. O nome da nova cepa é Iota, com I inicial.

Iota, variante surgida nos EUA, recebeu por nome a nona letra do alfabeto grego, ancestral de nosso jota. Por enquanto, as letras gregas ainda estão dando pro gasto. O problema vai se complicar quando for identificada a variante Ômega, última letra do alfabeto. Depois dela, como é que fica?

Observação
No caso da manchete do jornal, deve ter havido um primeiro escriba a grafar Lota, com L inicial. Na sequência, dúzias de veículos simplesmente copiaram a informação, ipsis litteris, sem tirar nem pôr, com erro e tudo, sem que ninguém se preocupasse em conferir.

É sinal dos tempos. É exatamente assim que se propagam as notícias falsas: com multidões repetindo o que ouviram, sem que nenhum cristão pare um instante pra refletir se a ave-maria é legítima.