Bahia sem agá

José Horta Manzano

A primeira grande reforma ortográfica da língua portuguesa foi posta em prática em 1911, mas só valeu em Portugal. Atribuem ao baiano Rui Barbosa (1849-1923) uma observação lapidar. Ao saber que desaparecia o agá intervocálico indicativo de ditongo (Juquehy, sahida, ahi), pontificou: «Não quero que minha terra se transforme numa baia». De fato, Bahia grafada sem agá fica parecendo baia, o lugar onde se guardam os cavalos.

A reforma ortográfica de 1943, que valeu para o Brasil, respeitou o desejo do grande nativo de Salvador. O agá intervocálico foi eliminado de todos os ditongos com exceção do nome do Estado da Bahia.

As atuais regras ortográficas determinam que o som ss dos nomes de origem tupi seja grafado com cê cedilha e que o som j seja sempre escrito com jota. Pela regra, temos:

Jenipapo
Araçoiaba
Catuji
Curuçá
Quijingue
Ibiraçu
Itaguajé

Regras são importantes, é fato. Sem elas, é bagunça na certa. No entanto, quem faz a língua é o usuário. Quando a regra bate de frente com o uso tradicional, instala-se a discórdia.

Diferentemente do nome Bahia, a reforma de 1943 não abriu exceções para nomes tupis. No entanto, algumas palavras eram ‒ e continuam sendo ‒ grafadas fora da norma.

Poucos respeitam a regra ao escrever o nome das cidades de Mojimirim e Mojiguaçu. Nem os dicionários estão de acordo. O Michaelis menciona somente Mogi Guaçu, com gê. O Aulete considera Mogi tão correto quanto Moji. O Houaiss é ortodoxo: só contempla Mojimirim, grafia que choca muita gente.

O edifício que desmoronou em São Paulo dia primeiro de maio pôs em evidência o nome do logradouro em que estava situado. Contrariando a regra que determina que se escreva Paiçandu, com cê cedilha, a maioria grafa Largo do Paissandu. É a tradição. Aliás, até a placa oficial plantada pela prefeitura usa dois ss. Realmente, «Paiçandu» fica esquisito pra danar. Parece que foi escrito por semianalfabeto.

Acredito que as regras ortográficas deveriam ser mais elásticas quando tratam de topônimos de grafia consagrada há muito tempo. Assim como se pode escrever Bahia, não deve atirar pedra em quem escreve Mogi ou Paissandu.

Serendipidade

José Horta Manzano

Você sabia?

Horace Walpole

Horace Walpole

Horace Walpole (1717-1797), filho de primeiro-ministro britânico, herdou o título de Conde de Orford. Dedicou-se à política e à literatura. A depender unicamente de seus escritos, o nome do conde dormiria hoje nas prateleiras empoeiradas do esquecimento. Contudo, Walpole garantiu lugar na história por ter forjado um neologismo em uso até nossos dias.

No fim da Idade Média, tradicional conto de fadas persa tinha sido transcrito em italiano e publicado em Veneza em 1557. Como convinha à época, o nome do livro era longo: Peregrinaggio di tre giovani figliuoli del re di Serendippo. Contava a história da peregrinação de três jovens filhos do rei do Ceilão (dito hoje Sri Lanka). O nome da ilha, em persa, é Serendip, donde a tradução italiana Serendippo.

Ceilão - plantação de chá

Ceilão – plantação de chá

A obra foi vertida para o francês e, a partir daí, para o inglês. Walpole travou conhecimento com a versão inglesa da obra. Inspirado pelas aventuras extraordinárias dos três príncipes, o conde teve a boa ideia de cunhar nova palavra para exprimir a faculdade (ou a sorte) de fazer descobertas por acidente ou por argúcia derivada do acaso. A palavra escolhida foi serendipity, em clara alusão ao nome do reino de Ceilão.

A língua inglesa, descomplexada e despreocupada com hipotéticas invasões estrangeiras, acolheu a palavra sem discussão. Nem todas as línguas, no entanto, têm o coração de mãe do inglês. Alhures, novidades nem sempre são bem-vindas.

O italiano adotou serendipità. O francês oficial resiste até hoje, embora um ou outro dicionário registre sérendipité. A Real Academia Española virou as costas e fez ouvidos de mercador persa. Em algum raro vocabulário castelhano, já encontrei a forma serendipia (dí).

Ilha de Ceilão mapa holandês do séc. XVII

Ilha de Ceilão
mapa holandês do séc. XVII

E em nossa língua, com é que ficou? O Volp – Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, respeitado por cultores da língua como se bíblia fosse, ignora a palavra. Levando em conta o fato de ela ter sido criada 250 anos atrás, é permitido imaginar que nunca venha a ser acolhida no seio do venerando manual. Houaiss e outros ignoram o termo. Já o voluminoso (e excelente) Aulete digital o reconhece. Sensato, o luso Priberam vai pelo mesmo caminho.

Ceilão – conceituada variedade de chá

Ceilão – conceituada variedade de chá

Puristas consideram sacrilégio utilizar palavra não sacramentada pelo mui oficial Volp. Data venia, permito-me discordar. O registro no vocabulário da Academia confere, sim, estatuto oficial e valida a existência da palavra. Já o contrário não é necessariamente verdadeiro. A ausência de um termo no elenco não é confirmação de que não exista ou de que seu uso seja condenável.

Ao distinto leitor que se estiver preparando para uma dissertação em concurso oficial, aconselho seguir à risca o vocabulário oficial. Para não perder pontos, mais vale obedecer a quem tem a caneta vermelha nas mãos.

Quanto aos que, como eu, já não têm contas a prestar nesse campo, é permitido lançar mão de neologismos. Principalmente quando resumem, numa só palavra, conceito cuja explicação demandaria duas linhas. Serendipidade, pois.

Interligne 18b

PS: Volto ao assunto em breve.