Atentado

José Horta Manzano

A língua francesa formou o substantivo attentat tomando como base o verbo attenter, que é filhote do latino attentare. Em latim, o verbo significava pôr em prática qualquer meio para que uma coisa seja bem sucedida.

Nossa língua foi buscar o substantivo francês e o aportuguesou: virou atentado. O sentido continua bem próximo ao original. Em atentado, está embutida a ideia de tentativa. Como toda tentativa, tanto pode dar certo como não.

A vice-presidente da vizinha Argentina foi ontem vítima de um atentado. Um indivíduo apontou uma arma, tentou atirar, mas a bala não saiu. A vice-presidente teve sorte. O agressor, menos. Além de não ser bem sucedido, foi dormir atrás das grades.

A Folha de SP acertou ao dar a notícia. Falou em “atentado contra Cristina”. Correto.

Folha de São Paulo

 

 

O Globo também acertou. Foi até mais longe. Falou em “tentativa de assassinato”. Correto.

O Globo

 

 

Já o Estadão escorregou. Tratou a notícia de “tentativa de atentado”. Além de soar complicado (tentativa de atentado), desvirtua a verdade. O que o agressor cometeu foi um atentado de verdade, não uma “tentativa”. Se não deu certo, é uma outra história.

Estadão

 

 

Se o redator fizer questão de qualificar o ato, pode falar em atentado falho, atentado fracassado, atentado infrutífero, atentado frustrado – ou outro adjetivo parecido.

Mas é bom não esquecer que, apesar de o agressor não ter conseguido chegar a seus fins, o ato foi um atentado de verdade, não só um ensaio ou uma tentativa.

3 pensamentos sobre “Atentado

    • O moço é brasileiro só de nascimento. Filho de pai chileno e mãe argentina, só passou os primeiros 6 anos de idade no Brasil. Decerto não conhece nossa língua, visto que os pais lhe falavam em espanhol e foi escolarizado na Argentina. De brasileiro, só tem a certidão de nascimento. Assisti a um videozinho com ele, e vi que o rapaz se exprime como qualquer argentino.

      Se é “de direita”? Não sei o que é isso. Sei que a casa dele é cheia de símbolos nazistas e que faz tempo que ele estava planejando esse atentado – ou “magnicídio”, como dizem os argentinos.

      Pelo desenrolar do crime, percebe-se que o moço, além de perturbado dos miolos, é desajeitado dos movimentos. Onde já se viu um revólver carregado e armado negar fogo na hora agá? Me lembra o livro “O homem que matou Getúlio Vargas”, do Jô Soares. Impagável.

      Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s