Prepare seu coração

José Horta Manzano

Dentro de 71 dias, seremos milhões a depositar nossa confiança (ou nossa ojeriza) na familiar urna eletrônica. Fazemos parte de um contingente habilitado a votar que supera a marca de 150 milhões de cidadãos.

Por mais que alguns ainda mantenham ilusões de terceira via, uma análise desapaixonada revela que a escolha dos eleitores já não contempla essa perspectiva. A eleição está afunilada, e restam apenas dois candidatos no páreo.

Pouco importa o programa de governo que apresentem – se apresentarem algum. Nosso próximo presidente será aquele, dos dois, que for alvo do nível de rejeição mais baixo. Mais uma vez, a maior parte do eleitorado não votará por convicção, mas por eliminação.

Meu voto não será de adesão. Por mim, os dois candidatos iriam para a lata do lixo. Com uma pedra em cima, que é pra nunca mais saírem de lá.

O voto nulo não faz sentido. É deixar que outros decidam em meu lugar. Vou escolher o menos pior. Prepare seu coração.

Cartaz com boas-vindas a Lula
“Lula é um bandido”
Uberlândia, junho 2022

Cartaz com boas-vindas a Bolsonaro
“Bolsonaro é um assassino”
Washington, março 2019

3 pensamentos sobre “Prepare seu coração

  1. Só não concordo que o voto nulo seja uma forma de deixar que os outros escolham por nós. É uma maneira legítima de protestar, denunciar o jogo de cartas marcadas. Minha repulsa maior é contra o voto útil, esse sim um meio de se isentar da responsabilidade pelas consequências da escolha do ‘menos pior’,.

    Curtir

    • Numa época em que conflitos se resolvem garrucha em punho, a abstenção eleitoral é remédio demasiado sutil. Considerando que o não-voto não altera o resultado final, conclui-se que não votar equivale a anuir e dobrar-se à decisão dos demais.

      Curtir

      • A curto prazo, pode ser verdade. Esse é o jogo de cartas marcadas: fazer as pessoas sentirem a urgência de “salvar” o país de um déspota ou de um trapaceiro e terem medo de “perder seu voto” apostando num candidato menos conhecido/popular. Foi o voto útil que elegeu Bolsonaro em 2018. No longo prazo, no entanto, se mais e mais pessoas se conscientizarem que não querem mais jogar o jogo das velhas oligarquias, a coisa pode mudar de figura e haver uma renovação significativa das lideranças políticas. Mas, como sempre, a resposta está na educação – e isso, infelizmente, não vai mudar nem no próximo século. Você está com a razão, portanto.

        Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s