O bilionário monitorado

Rastreamento de voo

José Horta Manzano

Faz uns dez dias, o New York Times publicou um fait divers engraçado. Um primeiranista da Universidade da Florida Central, de 19 anos, está alcançando, há dois anos, um tremendo sucesso de audiência em sua conta Twitter.

A razão da popularidade é simples: Jack Sweeney, o estudante adolescente, publica mapas com as indas e vindas de Elon Musk, um dos indivíduos mais ricos e poderosos do planeta. Mr. Musk é aquele que faz coisas que, contando, ninguém acreditaria. Além de fabricar carros elétricos, chega a lançar satélites por conta própria para instalá-los em órbita em torno da Terra. Um assombro.

Como é que o jovem consegue monitorar o jatinho do bilionário? O procedimento é de uma simplicidade infantil. Como se sabe, todo jato conta com um dispositivo que sinaliza a posição do aparelho e relata outros parâmetros do voo. Em princípio, destina-se aos operadores da torre de controle, mas não há como impedir que suas informações sejam captadas por quem procure por elas. As regras da aviação civil impõem que esse dispositivo esteja sempre ligado quando o avião estiver voando.

Há na internet pelo menos dois sites especializados em informar, em tempo real, todos os movimentos aéreos ao redor do globo. Todos os aviões aparecem. Os sites – um sueco, outro americano – informam velocidade, altitude, direção de voo, aeroporto e hora de partida, destino e previsão de chegada. E muitos outros detalhes. A gente pode passar um bom tempo apreciando aqueles aviõezinhos a se movimentar no mapa, saber que tipo de aparelho é cada um, de onde vem, para onde vai, a que horas vai chegar, que temperatura faz em cada aeroporto do planeta inteiro. Um mundo de informações.

Pois bem, nosso adolescente criou um algoritmo e um software rastreador especialmente para monitorar o jatinho de Elon Musk. A partir do momento em que a aeronave é ligada, pronto: o software instalado no computador pessoal do rapaz passa a acompanhar o voo. E tudo é publicado para seus milhares de seguidores. Em tempo real.

Assim que ficou sabendo da “espionagem”, Elon Musk ficou furioso. “Como assim? Eu, com meu dinheiro e meu poder, sendo seguido por um espinhudo qualquer?” – é o que deve ter resmungado. Resolveu agir. Mas… como? Se a lei não proíbe os sites de monitorarem os aviões, ninguém pode ser criminalizado por divulgar essas mesmas informações.

O ricaço escreveu ao rapaz, ameaçou, protestou, alegou razões de segurança, pediu que desativasse a conta. Chegou a oferecer 5 mil dólares. Não conseguiu. O adolescente fez uma contraproposta: fecharia a conta Twitter contra uma recompensa de 50 mil dólares; ou então, se contentaria com um carro elétrico Tesla de 38 mil dólares, veículo fabricado justamente pelas indústrias de Mr. Musk. (Logo em seguida, dando-se conta de que poderia ser acusado de chantagem, o rapaz retratou-se e disse que estava brincando.)

Até hoje, entendimento não houve. A troca de mensagens entre o ricaço e o remediado se estancou no mês passado. Os deslocamentos aéreos do aviãozinho do bilionário continuam sendo publicados. Para deleite dos 305 mil seguidores do espinhudo.

No fundo, qual é a importância dessa historinha? Para nós, que não somos bilionários nem temos intenção de seguir carreira na espionagem, a importância é mínima. Mas a fábula convida a uma reflexão sobre o instinto de sobrevivência. Me explico.

No tempo dos neandertais, os humanos levavam vida intranquila. Não tinham de fugir de ladrão, mas era vital precaver-se contra eventuais ataques de tigres, lobos e outros bichos ferozes. Desde criança, o neandertalzinho aprendia a abrir bem o olho, estar sempre alerta, vigiar tudo e todos, o tempo todo. Sua sobrevivência dependia dessa vigilância permanente.

Os milênios passaram, leões e hienas não correm mais soltos pelas avenidas, mas o instinto continua presente. Adaptado à vida moderna, ele leva os humanos a fiscalizar-se uns aos outros. Vizinho adora vigiar vizinho, colega adora vigiar colega, todos adoram vigiar gente famosa. Apesar da inutilidade de tanta supervisão, insistimos. Há enorme interesse por imagens roubadas de celebridades, por conversas particulares de gente famosa e por miudezas do pessoal do andar de cima.

O monitoramento de Mister Musk se inscreve nessa lógica. Pensando bem, ninguém ganha nada em ficar sabendo dos trajetos do ricaço. Mas o instinto desenvolvido no tempo das cavernas não morreu. Foi apenas reorientado conforme os preceitos da modernidade.

Em tempo
Os dois sites que monitoram os movimentos aéreos em tempo real são os seguintes:

O sueco Flight Radar 24

O americano ADSB Exchange

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s