Ministro fake

José Horta Manzano

Eduardo Pazuello, nosso apalermado ministro-júnior da Saúde, não entende por que é alvo de uma permanente chuva de críticas. Não se deu conta de que é sua submissão canina ao chefe que o põe em situação vulnerável. A plateia nacional nunca assistiu a um militar representando papel tão ridículo como o dele.

Mas por que é que ele não dá demissão? É permitido imaginar que o que está em jogo não é apenas o salário de ministro – afinal, o soldo de general é suficiente pra levar uma vida confortável. Fica no ar a impressão de que debaixo desse angu tem carne. Pra se rebaixar a esse ponto perante seus 200 milhões de conterrâneos, a razão há de ser maior que um mero contracheque mensal. Que será? A cada um, a liberdade de cogitar.

O ministro-júnior deve achar que os brasileiros não gostam dele por causa de seu jeito de sorrir, de se exprimir ou de se vestir, sei lá. Contratou um marqueteiro-mor, um certo senhor Marcos Marques, que prefere ser chamado de Markinhos. Assim, com K, como um certo Kassio. Fica a impressão de que o governo que se proclama ‘nacionalista’ dá preferência a colaboradores que tenham K no nome. Entenda quem puder.

O general parece não ter dificuldade em seguir ordens. Se seguir direitinho as do marqueteiro e modificar seu jeito de comunicar, o general imagina que os problemas estarão resolvidos. Engano. O erro não está no invólucro, mas no conteúdo. Ninguém está incomodado pela silhueta do homem nem pela impostação de sua voz. O que encoleriza são as enormidades que profere.

O pior vem agora. Markinhos, o marqueteiro político contratado por Pazuello, é conhecido pelo perfil beligerante e pelas propostas belicosas. Tentem imaginar o opulento ministro-júnior soltando suas frases sem pé nem cabeça, porém agora num estilo guerreiro, enérgico, agressivo. Aí sim, ele periga afundar de vez.

Onomástico
Pazuello é um sobrenome de evidente origem ibérica. Na língua galega, falada nas províncias do noroeste da Espanha, a raiz latina Palatium evoluiu para pazo, que equivale a nosso paço. Designa um solar, uma casa suntuosa.

Pazuello seria, pois, o diminutivo de pazo = um pequeno solar, um palacete. O nome é curiosamente de formação híbrida. Embora o núcleo seja galego, o sufixo uello é castelhano legítimo. Em galego, faz-se o diminutivo com o sufixo iño, que corresponde a nosso inho. Portanto, seria de esperar um Paziño (Pazo + iño).

Híbrido ou não, neste ponto, surge um problema. O sobrenome é raríssimo. Tão raro que, vasculhando a lista telefônica da Espanha inteira, não se encontra ninguém que o ostente.

No entanto, ele aparece no Dicionário Sefaradi de Sobrenomes, obra compilada por Paulo V. Faiguenboim & alia, ao lado de variantes tais como Pazuelo (com um L só) e Pazuelos (com S no final).

Sefaradis são os judeus espanhóis. Eles foram expulsos do país em 1492 pelos reis católicos, o que explica o desaparecimento do nome na Espanha. É concebível que o general seja descendente de uma dessas famílias forçadas ao exílio quinhentos anos atrás.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s