Já ouviu falar no Azerbaidjão?

José Horta Manzano

Sem contestar a cultura universal de meus distintos leitores, há que admitir a dificuldade de situar num mapa-múndi o pequenino Azerbaidjão. Vai a dica: fica no Oriente Médio, banhado pelo Mar Cáspio, espremido entre Turquia, Irã, Rússia, Armênia e Geórgia. Para nossos padrões, sua área é reduzida, não chegando à do estado de Santa Catarina. Abriga 10 milhões de habitantes.

Baku (Azerbaidjão), à beira do Mar Cáspio, e suas torres que lembram imensos pinguins

A capital e maior cidade é Baku, com 2 milhões de moradores, à beira do imenso Cáspio, um lago interior que se costuma considerar um mar fechado, sem comunicação com nenhum oceano. Não é um laguinho, não. A superfície é mais extensa que a de Mato Grosso do Sul e a profundidade pode ultrapassar 1.000 metros.

Desde a Antiguidade, o Azerbaidjão sempre fez parte de algum império que não era o seu. Ao longo dos séculos, o território pertenceu à Pérsia, ao Império Otomano, à Rússia. O país só alcançou a independência recentemente, em 1991, com o esfarelamento da União Soviética.

O grande patrimônio do Azerbaidjão é o petróleo, extraído do Cáspio, um pré-sal à moda local. Essa abundância é faca de dois gumes. Dependendo de como for cuidada, a fartura de petróleo tanto pode representar a riqueza de um país quanto pode provocar sua ruína. Exemplo eloquente de patrimônio desperdiçado é a Venezuela, país que já foi promissor e hoje se dissolve.

Os dirigentes azerbaidjanos têm sido mais prudentes. Estão conscientes de que o petróleo, um dia, vai se esgotar. Se nada for feito agora, o país periga mergulhar na miséria e retroceder ao tempo das caravanas de camelo e das lutas tribais. Pra evitar isso, têm procurado diversificar os alicerces, evitando que a economia continue baseada num produto único. Investimentos são feitos em infraestrutura, cultura, pesquisa, turismo – aquele conjunto de fatores que formam o soft power, o poder que dispensa armas.

A situação do coronavírus no Brasil vista pela mídia estatal azerbaidjana, em versão francesa.

Nesse contexto, o conglomerado nacional de mídia pública procura alcançar audiência longe das fronteiras. Emite no idioma local (azeri, da família turca) e outras 7 línguas: inglês, francês, alemão, espanhol, russo, chinês e árabe. Para um pequeno país periférico, é uma façanha. Para efeito de comparação, considere-se que nossa esquálida EBC, o conglomerado brasileiro de mídia pública, é monoglota. Com muito orgulho! E não será com o governo atual, hostil à cultura e ignorante de que há um mundo além-fronteiras, que a situação vai mudar.

Você dificilmente terá informação sobre a extensão do coronavírus no Azerbaidjão. O auditório internacional da mídia azerbaidjana, no entanto, está a par do que acontece no Brasil. Isso mostra que, em matéria de presença internacional, ainda temos muito a aprender. E não só com os grandes.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s