Prova amarela

José Horta Manzano

A passagem dos anos é implacável. Francamente, este blogueiro está começando a se sentir defasado com relação ao mundo atual. Vai longe o dia em que me sentei numa carteira pra enfrentar um exame de seleção. Faz tempo, mas ainda me lembro de como era. Anos atrás, não havia Enem. Cada faculdade promovia o próprio exame de seleção, conhecido como vestibular. Para o aluno, era um quebra-cabeça. Tinha de se inscrever em cada uma das faculdades onde eventualmente poderia ingressar. Na hora dos exames, precisava viajar de um canto a outro ‒ uma mão de obra danada.

Acho o Enem uma excelente solução. Fui dar uma espiada na ‘prova amarela’, que engloba questões de Ciências Humanas e Linguagens. Foi aí que me dei conta de que algo mudou na realidade brasileira. Perpassando as perguntas, me dou conta de que a finalidade do ensino médio está desvirtuada. Em vez de ensinar a pensar, a escola está ensinando como pensar. O caminho que leva à verdade única está ladrilhado. Com pedrinhas de brilhante.

De cada duas perguntas, uma transpira ideologia. Até quando o enunciado está em língua estrangeira, a fim de testar a compreensão do aluno, os temas giram sempre em torno do mesmo eixo, um eixo monomaníaco. Fervilham expressões de carteirinha, tais como: moradores de rua, cidadãos socialmente vulneráveis, movimento popular, inclusão de palavrão, grupos populares, descolonização estética, imaginário racista, mito do sexo frágil, assédio, exploração sexual, crimes contra mulheres, censura, opressão, gays, travestis. Não estou exagerando. Garanto que essa enxurrada está presente nos enunciados ou nas correções propostas.

Dá saudade do tempo em que eram mencionados Camilo Castello Branco, Eça de Queirós, Machado de Assis, Olavo Bilac, em vez de citações colhidas na internet, como fazem hoje. Dá tristeza constatar que, em vez de expor caminhos a tomar pra clarear o futuro da nação, as questões insistem em martelar desgraças do passado e remoer misérias do presente. Espremendo as folhas da ‘prova amarela’, sai um caldo negativo, desesperançado. Dá pena dos vestibulandos de hoje. Ao fim e ao cabo, fica uma grande preocupação com o Brasil de amanhã. Do jeito que vai, boa coisa não sai.

Um pensamento sobre “Prova amarela

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s