Eu farei

José Horta Manzano

Com a aproximação das eleições, entramos em plena temporada de sedução. Candidatos solícitos oferecem santinhos, elogiam buxada de bode, beijam criancinhas, comem coxinha da véspera e acham uma maravilha, apreciam café requentado, propõem resolução para todos os problemas do país. Têm sorriso pra dar e vender.

De candidato a cargo no Parlamento, pode-se admitir qualquer promessa. O único compromisso dele é apresentar projeto de lei. Propor não custa muito. Se a Assembleia aprovar, melhor. Se rejeitar, não fica feio para o parlamentar. Terá cumprido a promessa.

Quanto ao presidente, a história é outra. Ele não tem poder absoluto. Tem de passar pelo crivo do Legislativo. Tem candidato prometendo mundos e fundos por aí. Tem um garantindo que vai criar 10 milhões de emprego ‒ como se emprego se criasse por força do pensamento. Um outro asseverou que ‘mandaria prender’ general mal-comportado ‒ como se o poder discricionário do presidente se sobrepusesse ao da Justiça.

Em resumo, as promessas dos candidatos à Presidência não passam de carta de intenções. Se quisessem ser absolutamente honestos, evitariam dizer que farão isto ou aquilo, para dizer que proporão tais coisas.

Seria mais honesto. Mas, sacumé, conversa de candidato se espalha por 50 tons de honestidade.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s