Experiências informáticas avançadas

Myrthes Suplicy Vieira (*)

ComputadorAlguém já disse um dia que o Deus Informático se comporta exatamente como o Deus cristão do Velho Testamento: irascível, autoritário e vingador. É bem verdade que os novos equipamentos têm se mostrado mais user friendly mas experimente desrespeitar qualquer dos mandamentos tecnológicos para perceber num segundo todo o poder devastador da ira do Deus Informático: placas queimadas, apagamento de todos os dados contidos na memória, travamentos que só se resolvem quando se desliga o equipamento e se começa tudo de novo. Experiências dessa ordem deixam claro que o Deus Tecnológico é, sem dúvida alguma, o melhor adestrador de humanos de que se tem notícia.

Computador 3Pessoas da minha geração, especialmente as mulheres, se acostumaram a utilizar equipamentos mesmo sem conhecer as regras básicas que regem seu funcionamento. Considere, por exemplo, os carros. Você não precisa entender de mecânica de automóveis para dirigi-los. Se alguma coisa quebrar, basta parar o carro, ligar o pisca-alerta e procurar ajuda especializada. Se você estiver em uma estrada deserta, pode ser que seja de ajuda localizar o manual de instruções no porta-luvas do veículo e ler todo o capítulo referente ao problema apresentado na seção trouble shooting. Em última instância, o mais aconselhável é trancar o carro e tentar uma carona. Se nada disso resolver, ainda resta o recurso de apelar para o Deus de sua fé.

Computador 6Voltemos aos computadores. Utilizo essas máquinas infernais já há algumas décadas, sem jamais ter lido os manuais de instrução e sem ter sido treinada a identificar todos os recursos de cada equipamento. Todo meu saber vem da prática, dos truques que tive de aprender diante dos inúmeros problemas que já enfrentei. Nunca dei importância às informações técnicas sobre sistema operacional, processadores, navegadores e quejandos. A mim basta que a máquina obedeça aos meus comandos. Eu penso e ela, não.

Computador 2Num dia da semana passada, de manhã, num gesto mecânico, me conectei à internet e cliquei sobre o ícone do Internet Explorer. Esperei alguns segundos, a página surgiu mas, para meu espanto, permaneceu em branco, exibindo apenas o endereço do site no alto. Esperei mais alguns segundos e nada. Já um tanto irritada, tentei atualizar a página. Nada! A ventoinha começou a funcionar e o ruído foi crescendo de intensidade, como se a máquina estivesse fazendo um esforço hercúleo para parir a página, sem sucesso. Assustada, tentei fechar o navegador e me desconectar mas, por algum motivo que desconheço, a danada da maquininha se recusou a obedecer. Era como se ela me dissesse: “Agora, não. Ainda não terminei. Respeite meu sofrimento”.

Computador 5Alguns minutos mais tarde, consegui finalmente interromper aquele parto encruado. A ventoinha desligou e a máquina sossegou. Meu cérebro, não. O que estaria acontecendo? Onde foi que eu errei? Tentei de novo. O fenômeno se repetiu. Resolvi apelar para um dos anjos informáticos: o antivírus. Talvez, pensei, um bug tenha se infiltrado no pobre equipamento durante a madrugada. O recurso funcionou perfeitamente e a resposta foi negativa. Não havia nenhuma bactéria infestando os miolos da máquina. Bom, concluí, pelo menos descobri que o problema não está no modem da conexão. Pode ser que haja alguma instabilidade no navegador ou no próprio site.

Computador 4Entrei em contato com um sobrinho entendido nas artes da computação. O diagnóstico foi sombrio: não deve ser o navegador, talvez seja algo mais profundo e mais grave com o hardware. Em todo caso, ele não podia me ajudar porque estava saindo de viagem e só voltaria dois dias mais tarde. Apelei para outro sobrinho que, como o primeiro, estava ocupado no trabalho e arrumando as malas para uma viagem internacional.

Computador 7Passei os três dias seguintes me sentindo desamparada técnica, intelectual e moralmente. Com que, então, não havia nada a fazer a não ser esperar e me resignar. Paciência e resignação não são, no entanto, meus pontos fortes. Sentei-me diante da tela do computador por volta das 10 horas da noite. Lambi com os olhos cada ponto do monitor, na tentativa de identificar qualquer coisa fora do habitual. Olhando os diversos ícones da área de trabalho me dei conta de repente que todos tinham uma setinha embaixo, menos o do Internet Explorer. Eureka! Cliquei nesse ícone com o botão direito do mouse, entrei no link Propriedades e lá estava mais um: Criar atalho. Em seguida, apareceu “Conectar-me à Internet”. Cliquei mais uma vez e, em segundos, lá estava o site desejado em seu pleno vigor.

Interrompi a operação por alguns segundos, ainda extasiada, para agradecer ao Deus Informático por ter me permitido penetrar nos mistérios dos recursos tecnológicos que meu computador já devia possuir desde o dia em que foi comprado. Exausta (já eram 3 horas da manhã), pude finalmente condensar toda a sabedoria que me invadiu. O segredo, caros internautas, é derivado da filosofia zen: use as armas do inimigo contra ele mesmo. Autoconfiança sempre!

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

2 pensamentos sobre “Experiências informáticas avançadas

  1. Serviu como uma carapuça o tema foi direto no meu amogo: já passei por essa situação fiquei paralizada mas prevaleceu o bom senso: par e ei pensei : sou melhor que esta maquina – vou conseguir seguir enfrente e foi o que aconteceu se alguem passar por esta situação PARE RESPIRE E TORNE A TENTAR ATÉ CHEGAR AONDE PLANEJOU boa sorte!

    Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s