Cães adestrando humanos para a eleição

Myrthes Suplicy Vieira (*)

O ceticismo de minhas duas cachorras atingiu seu ápice durante o debate de sexta-feira à noite. Vencidas pelo tédio, elas dormitaram pesadamente a maior parte do tempo. Incomodada com a falta de reação por parte delas, cutuquei-as durante um intervalo e perguntei o que estava acontecendo.

Crédito: Ellem.ca

Crédito: Ellem.ca

A mais nova e mais espevitada respondeu que aquilo tudo lhe parecia conversa mole para boi dormir e que, apesar de não poder ser enquadrada na categoria dos bovinos, aquele palavrório todo só tinha servido para aumentar sua sensação de alienação. “Eu preferiria, disse ela, que você me levasse para passear e me deixasse farejar no ar se aquele macho bonitão vai passar por aqui”. Espreguiçou-se gostosamente e voltou a dormir.

A mais velha e mais sábia levantou a cabeça mal-humorada e sentenciou: “Estive pensando. Há um fenômeno curioso que já foi registrado entre várias espécies animais. Até onde eu saiba, não há registro desse tipo de acontecimento entre nós. Ele costuma acontecer com razoável frequência entre baleias. É uma espécie de indução ao suicídio coletivo. Por algum estranho motivo, algumas vezes a baleia-piloto se desorienta em alto mar e conduz as demais para águas rasas, fazendo com que todas morram encalhadas na areia. Já se especulou que a causa desse fenômeno pode estar no radar das grandes embarcações, mas eu duvido”.

Intrigada, perguntei: “O que você está querendo dizer com isso?”

Ainda sonolenta, ela resmungou em resposta: “Para mim, o verdadeiro motivo é que a líder se cansa de assumir tanta responsabilidade por tanto tempo. Veja só, ela tem de imprimir um ritmo mais lento para respeitar as limitações das baleias mais velhas. Tem de cuidar para que os filhotes não se afastem demais de suas mães. Tem de proteger os mais jovens e inexperientes quando do ataque de predadores. Tem de deter o ímpeto dos machos mais ousados que querem fazer desvios de rota para acasalar. Não pode se dar ao luxo de parar para cuidar de si mesma quando está com fome, machucada ou exausta. Acima de tudo, seu orgulho por ter feito tantas travessias bem sucedidas faz com que ela se recuse a admitir que já está na hora de seu reinado terminar”.

Baleia 1Curiosa pelo desfecho, apressei: “E daí? Onde você quer chegar com essa história toda de baleias?”

Minha envolvente filósofa canina concluiu com um meio-sorriso: “Pois está me parecendo que a atual baleia-piloto de vocês está se aproximando perigosamente da praia”.

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Um pensamento sobre “Cães adestrando humanos para a eleição

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s