A indolência do aborígine

A notícia acaba de sair.

«Áudio vazado nas redes mostra o ouvidor-geral do Ministério Público do Pará, procurador de Justiça Ricardo Albuquerque da Silva, dizendo que houve escravidão de negros no Brasil porque ‘o índio não gosta de trabalhar’.»

Peço vênia pra discordar, Excelência. A sentença está mal construída. Melhor será corrigir:

«Se houve escravidão de negros no Brasil foi porque o colonizador não gostava de trabalhar».

Que raciocínio mais tortuoso, gente! Quer dizer então que foram buscar levas de africanos, para trabalhar de graça e contra a vontade, por causa da indolência dos indígenas? Ninguém ensinou aos colonizadores que todo trabalho merece pagamento? Desde que os fenícios inventaram a moeda, esse problema está resolvido.

E olhe que essa barbaridade foi pronunciada pelo ouvidor-geral do MP do Pará. É o topo da carreira. Desconheço o caminho pra chegar a esse posto. Terá sido por concurso? Com essas ideias, data venia, Sua Excelência não passaria nem no Enem.