Pro santo

José Horta Manzano

Estamos em época de preenchimento de vaga no STF. Brasília ferve. Candidatos não faltam. Dado que cabe ao presidente da República indicar um nome, postulante que se preza tem o dever de ofício de bajular doutor Bolsonaro. Muitos foram os candidatos, mas só um foi escolhido. E o indicado é… doutor Kassio Marques! Naturalmente, desde que o Senado da República dê aval, fato que, nos tempos que correm (e nas benesses que correm por trás), é dado como favas contadas.

Doutor Kassio vem reforçar o time dos que têm K, W ou Y no nome. Este blogueiro é do tempo em que essas letras eram, por assim dizer, proibidas. A professora ensinava que eram estrangeiras. É como se, para entrar em nossos livros, tivessem de apresentar passaporte visado.

A gente tinha inveja de quem tinha uma dessas letrinhas no sobrenome. Os pais de doutor Kassio hão de ter sofrido desse complexo de não-estrangeiridade. Como sentiam falta das letrinhas no sobrenome e não havia jeito de inseri-las, tascaram um K no nome do filho, logo no começo, que é pra todo o mundo ver. O novo integrante fará companhia a doutora Weber e a doutor Lewandowski. No quesito passaporte visado, no entanto, este último é campeão até agora imbatido: tem dois W no sobrenome.

Ilibada
Como manda a Constituição, o Senado avaliará se o indicado é ou não é senhor de notável saber jurídico. Confirmará também se sua reputação é ilibada. Interessante, esta última palavra. Anda sempre com a reputação a tiracolo. Nunca a vi em companhia de outro substantivo. De onde vem ela?

Vem de libar – verbo raramente utilizado, embora corresponda a um gesto que se vê frequentemente. Libar significa entornar no chão a bebida que estava num copo. Era costume dos romanos de dois mil anos atrás. Em determinados cultos aos deuses, o oficiante apanhava um cálice de bebida, aflorava com os lábios e versava o conteúdo ao solo em oferenda.

O verbo saiu de uso no português atual, mas o gesto perdura, embora um pouco mais egoísta. O legítimo bebedor de cachaça entra no boteco e pede uma caninha. Em seguida, inverte a ordem da oferenda. Primeiro, joga um trisquinho no chão, um presente ao santo – pouco, mas suficiente pra não deixar ninguém aguado. Em seguida, engole o resto (ou seja, praticamente tudo).

Mas fiquem frios: no governo atual, não há mais cachaceiros. São todos devotos da tubaína. E de um delicioso pãozinho encharcado com leite condensado. Nada de dar pro santo, porém! E quem deixar pingar na toalha paga o almoço!

Ilibado entrou no uso comum com o significado de inteiro, não tocado, não corrompido, imaculado, puro. É a isso que a Constituição se refere ao exigir reputação ilibada.

Falando de STF
Achei interessante esta chamada do Estadão deste 12 de outubro. É verdade que a Constituição não proíbe que membros do STF conversem com as paredes. Assim mesmo, o bom senso faz supor que nem doutor Fux, nem os demais ministros, têm o hábito de falar sozinhos. Tudo o que dizem é dito a alguém. Esse alguém é designado como interlocutor. Interlocutores podem ser colegas, a esposa, um contínuo, um motorista ou jornalistas. Em resumo, é evidente que, quando se diz algo, diz-se a interlocutores.

A chamada não perderia nada se eliminasse “a interlocutores”. Ficaria mais enxuta, mais elegante, e daria o mesmo recado. Em tempos de penúria, cortar excessos é dever de todos.

Essas palavras que não conhecemos

José Horta Manzano

Você sabia?

Com grande frequência utilizamos palavras cujo significado não conhecemos. «Como assim?» ‒ perguntará, um tanto indignado, o distinto leitor. «Eu não uso palavras que não conheço!»

Pois eu não teria tanta certeza. Volta e meia me surpreendo fazendo isso. Como sou curioso e não gosto de deixar ponto sem nó, costumo tomar o tempo de ir ao dicionário conferir. Vez por outra, o resultado é um espanto. A gente se dá conta de que não tinha a mínima ideia do significado do termo utilizado.

Vou tratar hoje de duas expressões bastante comuns, daquelas que ouvimos com grande frequência. A primeira é «ledo engano» e a segunda, «reputação ilibada». Você, que já há de ter pronunciado essas palavras, talvez não conheça o exato significado dos adjetivos ledo e ilibado.

Ledo
Descende da forma latina lætus. Linguistas ainda não conseguiram se pôr de acordo quanto à origem da raiz. Em todo caso, chegou ao latim com o significado de alegre, exultante, vivaz. Um cognato sobrevive em italiano moderno: lieto, usado para significar alegre. A forma portuguesa ledo ‒ atualmente usada unicamente para qualificar engano ‒ é de mesma natureza que a latina e conserva o mesmo significado. Portanto, «ledo engano» é «engano alegre».

Curioso, não? Talvez provenha da ideia de que aquele que se engana sem se dar conta do erro continua alegre, não fica chateado. A gente costuma dizer «bobo alegre», pois não?

Ilibado
Em nove a cada dez aparições, o adjetivo ilibado qualifica a palavra reputação. Mas o que significa mesmo? Pois também essa raiz aparece no latim. Libatus é o particípio passado do verbo libare, que significa espargir, derramar uma parte do vinho (ou outra bebida alcoólica) depois de ter provado. É um ritual semelhante ao daquele bocadinho de pinga que, antes de beber, se derrama «pro santo». Em rituais expiatórios da Roma antiga, fazia-se o contrário: experimentava-se antes e derramava-se o resto.

Com o passar do tempo, o significado do verbo libare evoluiu. Em vez de designar o ato de derramar, passou a dar nome ao ato de experimentar, degustar, ter prazer em saborear. A palavra libido é parente próxima. Portanto, dizer que algo ou alguém é ilibado significa que não foi tocado, que é puro, limpo, inteiro, não contaminado.

Entre os integrantes de nosso andar de cima, está cada dia mais difícil apontar um representante que responda a esses critérios.