Salsicha, salame e charque

José Horta Manzano

A gente pronunciava salsicha e achava muita graça em quem dizia salchicha. Foi só muitos anos mais tarde que descobri que os castelhanos só conhecem a segunda variante. E só juram por ela. Na língua deles, a palavra foi vítima de assimilação fonética, bem conhecida dos estudiosos.

Dada a lentidão dos órgãos da fala, esse fenômeno de relaxamento ocorre com frequência. De fato, a sequência chi + cha é mais fácil de pronunciar do que si + cha. Este último parzinho requer certa dose de ginástica bucal. Bom exemplo de quebra-língua é o desafio infantil de mandar pronunciar rapidamente «um tigre, dois tigres, três tigres». O exercício é perigoso – experimente. A gente se surpreende ao não ser capaz de pronunciar essas seis palavrinhas com velocidade.

Tanto nossa salsicha quanto a salchicha espanhola derivam do italiano salsiccia, onde o primeiro componente é sal. É da família do salame e de outras salgaduras. O salgamento é um dos métodos mais antigos de conservação de alimentos.

Charcuteria pertence a outra família. É a palavra usada pelos franceses para designar coletivamente os embutidos. O termo se decompõe em chair (=carne) e cuite (=cozida). É caso pouco comum em que o nome do estabelecimento (charcuterie) precede o nome do profissional (charcuitier). Charcuteria corresponde, grosso modo, a nossa salsicharia. Mas, convenhamos, é bem mais chique.

Nossos dicionários dizem da palavra charque (carne seca) que é de origem desconhecida. O dicionário da língua espanhola informa que charque (ou charqui) é palavra platina de origem desconhecida. Sem querer ser mais esperto que os estudiosos, a semelhança com a ‘carne cozida’ francesa (chaircuite) me parece sugestiva. Pode ser apenas coincidência.