UE: fim da hora de verão

José Horta Manzano

Na Europa, custou, mas… acabou. Aquela chateação de mudar de hora duas vezes por ano está vivendo o último supiro. O Parlamento Europeu se exprimiu hoje pela supressão da mudança de hora automática, duas vezes por ano, em vigor havia mais três décadas.

A instauração dessa medida foi tomada na esteira da crise do petróleo. Cálculos indicavam que o avanço dos relógios de abril a novembro geraria boa economia de eletricidade. Desde os primeiros anos, no entanto, a medida foi muito contestada. Agricultores alegam que as vacas não querem saber que horas são ‒ têm de ser ordenhadas a horas fixas. Habitantes de países nórdicos argumentam que, hora a mais, hora a menos, para eles, tanto faz. Naquelas latitudes, durante o verão, o dia já é interminável. A hora de verão é inócua.

Nos últimos tempos, com o advento de fontes de energia renováveis e também com a mudança nos hábitos de consumo, as economias geradas pela instituição da hora de verão perderam importância. Já faz anos que se fala em acabar com as mudanças e guardar uma hora fixa o ano inteiro.

Agora é oficial. Neste 26 de março, uma maioria de eurodeputados votou a favor do fim da mudança de hora. Foram 410 votos a favor, 192 contra e 51 abstenções. O veredicto é indiscutível. Cabe agora ao Conselho da União Europeia negociar para chegar à formulação final das regras.

Cada país pode escolher entre manter a hora de inverno o ano todo (como costumava ser até 30 anos atrás) ou conservar a hora de verão para sempre. Em 2019, 2020 e 2021, a hora de verão ainda entrará em vigor em todos os países. A partir daí, os que tiverem optado por manter a hora de inverno como hora oficial atrasarão os relógios pela última vez no fim de outubro de 2021. Os que tiverem preferido seguir com a hora de verão simplesmente não atrasarão mais os relógios.

Domingo 31 de março, entra em vigor a hora de verão. Será a antepenúltima vez. Nos próximos meses, conheceremos a decisão que cada país membro tiver tomado ‒ se conserva a hora de inverno ou a de verão. Tudo vai depender da opção dos países mais importantes. A Alemanha, a França e a Itália devem mostrar o caminho. Os demais acompanharão. Diferença de hora não é bom para os negócios.