Saudação para iniciados

José Horta Manzano

Como escrever ano novo? Com hífen ou não? Com maiúsculas ou não? Melhor perguntar a quem sabe. O mais prático, hoje em dia, é dar uma olhada nos dicionários. Todas as consultas que fiz foram online (ou em linha, como preferem em Portugal).

Os dicionários brasileiros recomendam que se escreva com letras minúsculas e com hífen. Ano-novo e ano-bom quase sempre aparecem como sinônimos perfeitos. Atenção: quase sempre não é sempre! Mas vamos deixar pra lá essas sutilezas.

Praticamente todos os dicionários brasileiros dão como significado:

o ano entrante
a passagem de 31 dez° para 1° janeiro
o próprio dia 1° janeiro

Feliz ano novo!

Já os dicionários portugueses não hifenizam a expressão. A tendência lusa é grafar ambas as palavras com inicial maiúscula: Ano Novo, assim como Ano Bom. Quanto ao significado, as acepções são sensivelmente as mesmas que no Brasil.

Então, vamos resumir. Se o distinto leitor for festejar o réveillon de 31 dez°, à meia-noite estará brindando ao ano-novo (com hífen) e desejando um feliz ano novo (sem hífen) a todos. Como se vê, o ano-novo é como peixe, altamente perecível. No dia seguinte, fede. Tem de ser jogado fora e substituído por ano novo.

Agora, que sabemos saudar corretamente, vamos lá. Desejo a todos bons festejos de ano-novo e um feliz ano novo.

Observação
Em inglês, francês, alemão, italiano, espanhol, ninguém dá atenção a essas sutilezas. Não se usa hífen. Maiúscula ou minúscula? Fica ao gosto do freguês, mas geralmente se vê com maiúsculas.

Carnificina

José Horta Manzano

Ah, o perigo está sempre à espreita do tradutor. Como costumo dizer, em matéria de tradução, nem sempre o que parece é.

Que não se preocupe o distinto leitor. A imprensa brasileira não foi a única a escorregar. Na França, rolaram pela mesma ladeira. Ao comentar o discurso de entronização de Mr. Trump, todos falaram em «carnificina» sem desconfiar que a afirmação não fazia sentido, que algo estava fora de esquadro.

Quando, no discurso de tomada de posse, o novo presidente falou em «American carnage», usou expressão informal, em princípio restrita a colóquio entre amigos.

Num pronunciamento importante como aquele, o homem deveria ter-se exprimido de outra maneira. Mas talvez seja exigir muito de um Lula de olhos azuis. Embora nascido e criado em berço de ouro, o novo presidente dá preferência a expressões caseiras, na intenção de aproximar-se, assim, do povão.

Chamada do Estadão, 20 jan° 2017

Chamada do Estadão, 20 jan° 2017

Carnage  entrou no inglês vindo diretamente do francês. A raiz latina caro/carnis deu prole importante. Em nossa língua, temos carne, carnal, carneiro, carnívoro, encarnar, descarnado. Temos também carnificina, termo utilizado justamente na chamada do Estadão. O estagiário, embasbacado, procurou no dicionário e ficou com a primeira acepção que encontrou.

Bobeou. Embora o significado usual de carnage seja realmente carnificina, não foi o que Mr. Trump quis dizer. Ele pensava na acepção secundária da palavra.

«American carnage» teria sido mais bem traduzido como fracasso americano, ruína americana, débâcle americana, tragédia americana. Nada que ver com carne sangrando.