A Ponte da Crimeia

Clique para ampliar e ver melhor

José Horta Manzano

Tem muita gente fina afirmando que a invasão da Ucrânia vem sendo preparada há vários anos, com cálculo e frieza, por Vladímir Putin e seus comparsas. Os que assim pensam acreditam que a anexação da Crimeia, levada a cabo em 2014, era apenas o primeiro capítulo da saga que ora entra na fase 2.

Sei não. Não sou da mesma opinião. Para mim, a invasão do país vizinho não é parte de um plano solidamente arquitetado pelo Kremlin de reconstrução do antigo Império Tsarista. A decisão de tomar a Ucrânia só foi tomada bem recentemente. Siga meu raciocínio.

Antes de mais nada, é bom lembrar que, mesmo não sendo um país pobre, a Rússia está longe de viver na folga financeira de outras nações que a gente costuma colocar no mesmo nível: os EUA e a China. Seu PIB é o 12° maior do mundo, menor que o brasileiro, equivalente ao da Espanha. Moscou é, sem dúvida, uma potência bélica. Afora isso, sua economia baseia-se majoritariamente na exportação de matérias primas – como a nossa.

Agora, reflita comigo. Se em 2014, quando anexou a Crimeia, Putin já estivesse cumprindo a etapa 1 de seu plano de expansão territorial, estaria ciente de que não era hora de esbanjar um dinheiro que podia fazer falta mais adiante, na hora de alimentar sua máquina de guerra. Certo? Pois não foi assim que ele procedeu.

A Crimeia é uma península que avança sobre o Mar Negro. Cercada de mar por todos os lados, é ligada à terra firme por um istmo. O problema é que esse istmo não une a Crimeia à Rússia, mas à Ucrânia. Portanto, após a anexação, a Crimeia tornou-se um enclave russo em terras ucranianas, um pedaço de chão sem continuidade territorial com a pátria-mãe. Assim, um russo não podia chegar lá por terra, sem atravessar território ucraniano. Que é que Putin decidiu fazer?

Resolveu mandar construir uma ponte entre o litoral russo e a Crimeia anexada. Era o único jeito de integrá-la ao território nacional sem precisar baldear carros e caminhões numa balsa. Até aí, parece normal. O que não é normal é o custo dessa ponte. Para construí-la, o Estado Russo teve de desembolsar 3,8 bilhões de dólares (R$ 20 bi).

Agora diga-me: faz sentido o ditador de um país relativamente pobre, que se prepara para uma guerra de conquista, gastar essa exorbitância na construção de uma ponte, especialmente sabendo que, pouco mais tarde, será o único dono do litoral marítimo, fazendo a ponte perder toda importância estratégica? Para mim, não faz sentido. Torrar USD 4 bi é uma exorbitância! Não combina com um suposto plano de guerra de conquista em várias fases.

Acredito que só bem recentemente Putin se animou a invadir o vizinho. O elemento decisivo pode bem ter sido a retirada precipitada das tropas americanas do Afeganistão. O ditador russo, personagem que só entende a linguagem da força bruta, deve ter tomado aquela trapalhada por fragilidade de Joe Biden; afinal, era um presidente novato. Há de ter pensado que, se os EUA não se incomodaram de ver o Afeganistão ser retomado pelos talibãs, não iam se preocupar com uma longínqua e desconhecida Ucrânia ser tomada pelos russos.

O ditador russo tirou suas conclusões sozinho, foi na confiança, mas enganou-se.

Complemento de informação
A ponte que passa sobre o Estreito de Kertch, entre o território russo e a Crimeia ocupada por Putin, é a ponte rodoviária mais longa da Rússia. Tem 19 km de extensão. (Para efeito de comparação, a Ponte Rio-Niterói tem “apenas” 13 km.)

Ia ser engraçado se, numa hipótese altamente improvável, a Rússia tivesse de devolver a Crimeia à Ucrânia. A ponte, concebida para curto-circuitar fronteiras, passaria a ligar dois países diferentes. E um posto fronteiriço seria instalado em cada cabeceira. Quando menos se espera, o destino costuma aprontar das suas.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s