COP26

José Horta Manzano

A COP26, megaencontro realizado em Glasgow, não se restringiu aos dois primeiros dias, quando chefes de Estado deram o ar de sua presença. Os encontros, as palestras e os seminários continuam. Vão do domingo 31 de outubro até a sexta-feira 12 de novembro.

Alguns dirigentes, como nosso capitão, preferiram dar o ar de sua ausência – fato contra o qual ninguém reclamou. Ele deixou de ir por não ter nada a dizer, é de crer. Comida e bebida grátis, ele já tem todos os dias, sem precisar enfrentar a chuva escocesa.

Apesar de não ter grande coisa a apresentar além de boas intenções (que cairão no colo e serão cobradas dos próximos dirigentes), o Brasil mandou a maior delegação entre todos os 180 países presentes. Nada menos que 479 participantes integram oficialmente a comitiva brasileira. Para alguns, é dever de ofício; para muitos, é uma grande festa. Em Glasgow venta muito e faz frio, mas há excelentes cervejas e uma quantidade de excelentes pubs.

O governo brasileiro peneirou (com peneira própria) os candidatos a participar da comitiva oficial. Entre os eleitos, estão grandes industriais, personalidades do ramo de investimentos e até grandes empresários do biodiesel. Corporações e federações industriais também estão lá. A CNI (Confederação Nacional da Indústria), sozinha, mandou 10 representantes.

A comitiva oficial inclui primeiras-damas de quatro estados, duas recepcionistas, dois fotógrafos e até uma barmaid, mas, curiosamente, nenhuma ONG. Essa ausência é estranha, dado que são justamente as ONGs que põem a mão na massa de verdade, confrontadas que estão com os problemas reais, no varejo de todos os dias.

Li na mídia que o stand das ONGs brasileiras, embora menor que o da delegação oficial, é muito mais concorrido e está sempre cheio, apesar de, no oficial, servirem (excelentes) salgadinhos e bebidinhas preparadas por profissional.

Sabia que há uma delegação ainda mais numerosa que a do Brasil? Por incrível que pareça, a presença mais forte é a dos lobistas ligados à indústria petrolífera. Uma jornalista suíça fez as contas e identificou 503 membros dessa “corporação”. Não mantêm um stand próprio, à vista de todos. Trabalho de lobista não é na linha de frente. Eles estão espalhados, infiltrados em cada uma das delegações nacionais. Na do Brasil também há.

Esses lobistas representam o outro lado da moeda. Todo o mundo sabe que uma das medidas principais para paliar a agonia do planeta é o total e imediato banimento da queima de petróleo. Se essa regra passasse a ser seguida com rigor, isso significaria a asfixia da indústria petrolífera e a ruína de países cuja riqueza é principalmente baseada na extração do óleo. A função do lobista é esticar a corda e prolongar a agonia do planeta até não poder mais.

Mas não adianta. A queima de combustíveis fósseis para produção de energia está com os dias contados. Com ou sem lobistas.

3 pensamentos sobre “COP26

  1. Há pouco tempo, políticos, tanto os que estavam no poder quanto os que aspiravam chegar lá, aclamavam o Pré Sal, essa maravilha que seria a salvação financeira do Brasil. Uma colossal fonte de riqueza para as futuras gerações. Hoje, ninguém mais fala do assunto. Pelo que foi noticiado, os lotes (ou a maioria deles) foram abocanhados por grandes empresas petrolíferas internacionais. O dinheiro arrecadado, não sentimos o cheiro dele.
    Quanto à COP26, sigo a linha de Ailton Krenak, o líder indígena: “Não espero nada de concreto dessa festa chamada COP26”.

    Curtir

    • O líder índio tem razão, não é de uma COP que vai sair nada de concreto. A “concretude” vai sair da própria pressão popular. Mas o circo planetário engendrado por uma megarreunião como essa tem por vocação incitar a pressão popular e dar-lhe eco.

      Mais e mais, os humanos vão constatar que a temperatura sobe, a água falta, incêndios florestais aumentam, cidades costeiras começam a desaparecer invadidas pelas águas, hordas de exilados climáticos abandonam os países quentes, onde a vida se tornou inviável, para invadir terras mais próximas dos polos.

      Quando chegarmos a esse ponto, sem dúvida, todos entenderão o problema. Só que, aí, já será tarde demais. Convém tomar consciência antes. Em princípio, as COPs estão aí pra isso. Mas receio que, sozinhas, não provoquem o efeito desejado. O homem é feito São Tomé, aquele que tem de ver para crer.

      Curtir

  2. Pingback: José Horta Manzano, diretamente do BrasilDeLonge | Caetano de Campos

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s