O saco e o xixi

José Horta Manzano

Vinte e oito anos é a duração de um ciclo bem conhecido dos astrólogos. É aproximadamente o tempo que Saturno leva pra dar uma volta ao Sol.

Dia 3 de abril de 1991, uma manifestação de protesto deixou Fernando Collor de Mello, então presidente da República, muito avexado. O doutor explodiu e berrou a quem o quis ouvir : «Eu tenho aquilo roxo!». Não ousou dar nome ao «aquilo», mas todos entenderam. A frase ficou na história da República como um dos (hoje frequentes) exemplos de mau gosto e de vulgaridade presidencial.

Ninguém imaginava, naquela altura, que uma cachoeira de baixezas estaria por se instalar na fala de presidentes. E de ‘presidentas’. Nenhum dos sucessores, no entanto, teve a ideia de se valer de expressões situadas abaixo da cintura.

Vinte e oito anos e dois dias se passaram, mas Saturno não costuma falhar. Doutor Bolsonaro acaba de nos brindar com um fabuloso «vale a pena ouvir de novo». Ainda que menos viril e mais pueril, a reprise de 1991 é boa. Tanto quanto a precedente, a metáfora de doutor Bolsonaro ronda o campo da escatologia, tema não necessariamente benfazejo para presidentes.

Um ano e pouco depois de clamar a própria virilidade, doutor Collor de Mello estava no chão, destituído nos conformes, metaforicamente emasculado. Doutor Bolsonaro que se cuide. Confissões públicas muito próximas do piupiu do declarante não são bom caminho.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s