O raio vívido

José Horta Manzano

Quando escrevi ontem sobre o hino nacional truncado, já tinha o pressentimento de que nossos preclaros dirigentes não houvessem pensado em exigir da Fifa a execução integral da peça. Escrevi para esconjurar, mas era mais desabafo que esperança.

Optimista incorrigível, continuo achando que não precisa procurar muito para encontrar o lado bom de cada acontecimento. Estancado o hino na altura do salve, salve, o povo não se abalou: jogadores, pessoal técnico, cartolas e ― principalmente ― a multidão de espectadores continuou impávida a louvar o sonho intenso e o raio vívido.

Eu assistia à transmissão pela televisão francesa. O comentador, abismado com o estádio cantando a cappella, qualificou a cena de sublime. Deu pra lavar a alma dos ofendidos e pra despejar a água suja por cima dos arrogantes dirigentes da Fifa.

O jogo foi o que foi, assim-assim, meio chinfrim. Todas as resenhas esportivas que consultei foram unânimes em afirmar que o juiz errou feio quando decretou penalidade máxima indevidamente.

Bandeira sorrindoMas tem uma coisa de que os estrangeiros não se deram conta. Numa certa altura, lá pelo fim do jogo, um coro se alevantou do estádio e escandiu repetidamente uma frase de oito sílabas. A grita foi ganhando corpo, como um grito de guerra insistente. Prestei atenção. Não foi difícil me dar conta de que, se grito de guerra era, não se dirigia aos jogadores.

Como outros milhões de brasileiros, ouvi nitidamente uma frase pra lá de ofensiva visando dona Dilma, com aquelas palavras que a gente costuma evitar dirigir a senhoras de fino trato. Seu entourage havia imaginado que, abolindo o discurso, poria a dirigente a salvo de vaias. Conseguiu o intuito, que vaias não houve. Mas quem havia de prever um concerto coral de impropérios, concertado, ritmado e global?

Pobre presidente, que vexame! O padrinho dela, que é arroz de festa mas não é bobo, preferiu nem aparecer. Enfim, se o povo lançou aquele ultraje, por algo será, como dizem os espanhóis. Devem ter lá suas razões.

Para resumir: o espetáculo maior da partida não foi obra dos atores, mas da plateia. O sonho intenso pressentido no Hino Nacional parece cada dia mais perto de se realizar. Basta que um raio vívido ilumine os eleitores em outubro.

3 pensamentos sobre “O raio vívido

  1. Belíssimo texto! Sim, temos os pontos positivos e negativos que bem explanou. Gostaria só que me aprofundar em um detalhe: que palavrinhas horrorosas foram utilizadas para vaiar a D. Dilma. Sinal que a maior autoridade do país não tem o menor respeito do seu povo. E por isso, apesar dos palavrões, acredito que não poderia ser melhor.
    Sei que a mobilização patriótica ao continuarem o hino, foi emocionante. Então deixo aqui o link, para que continuemos emocionados. Abs

    Curtir

      • Sim senhora D. Miriam. Afronta, uma criança cantando o hino do jeito que ela sabe? Afronta é a senhora me dizer o que tenho que fazer ou deixar de fazer, no caso, que eu “tenho que ocupar o meu tempo ensinando coisas corretas”. Bom, o meu tempo eu gasto da forma que eu achar melhor, e não deixo nenhum comentário neste blog e em blog nenhum, com intuito de ensinar a quem quer que seja ou de afrontar a quem quer que seja. A senhora, se é que é uma senhora, pode ver minha foto, meus perfis nas redes sociais, meu blog etc. E vai saber que não me escondo atrás de um perfil vazio como a senhora, pra sair afrontando gratuitamente os outros por causa de um vídeo de uma criança cantando o hino nacional. Sugiro a senhora, que pelo jeito tem o dom de ensinar, faça um vídeo cantando o hino, na íntegra, corretamente, com a mão no peito e hasteando a bandeira. Acredito que o Sr. José Horta não se oporá, se quiser postar aqui. E nomeio à senhora moderadora virtual da internet. Pode começar aprendendo a elaborar uma crítica, sem afrontar os outros. À proposito, a senhora é brasileira? rs rs rs

        Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s