Los apagones

BarrageJosé Horta Manzano

Quando ouvem um lugar-comum, uma banalidade, os franceses e os ingleses costumam dizer que se trata de uma platitude. Políticos soem pronunciar discursos e frases recheadas de lugares-comuns, de afirmações evidentes. Mas alguns exageram.

Nos últimos dez anos, nossos governantes foram dominados por uma ideia fixa: a permanência no poder a qualquer custo. Não sejamos fariseus. Quem alcançou posição confortável agarra-se a ela. É natural e compreensível. It’s human nature. O exagero está em aferrar-se ao poder como se ele fosse um fim em si. Não é.

Posições de mando certamente fazem bem ao ego. Em compensação exigem que o titular exerça de facto suas funções.

Pelo aumento exponencial de episódios de falta súbita de energia que temos constatado estes últimos tempos, é forçoso concluir que a devida atenção não tem sido dada ao planejamento desse setor estratégico.

Não basta cruzar os dedinhos, fechar os olhinhos e mentalizar seus desejos para que as coisas aconteçam por milagre. Os que detiveram o poder estes últimos anos não fizeram a lição de casa. Acham que posições de ministro, diretor, superintendente e que tais são apenas títulos honoríficos. Imaginam que as coisas acontecem automaticamente. Têm sido ingênuos. Sua incúria e seu despreparo têm emperrado o desenvolvimento do País.

Nossa presidente recusa o termo apagão. Talvez não lhe agrade o fato de essa palavra ter sido importada diretamente da Argentina, cujos apagones precederam os nossos. A senhora Rousseff prefere que se fale em «interrupção de fornecimento de energia», uma troca de seis por meia dúzia. Parece-lhe menos violento, mas, no fundo, reflete a mesma realidade.

Além da implicância com a expressão importada, a presidente proferiu (mais) uma platitude ao atribuir a culpa dos apagões a falha humana. É uma evidência. Alguém errou ao prever o crescimento da demanda. Alguém errou na instalação de para-raios de proteção às torres de transmissão. Alguém descuidou da manutenção preventiva. Alguém se enganou e apertou o botão errado. Alguém errou ao abrir (ou fechar) as comportas Poteaude alguma barragem. Seja o que tiver acontecido, terá sido erro humano.

Dizer que apagão é consequência de falha humana é uma banalidade. Levando nosso raciocínio até o fim, temos de considerar que o equipamento que constitui o parque energético também foi projetado, produzido, controlado, transportado, instalado e manipulado por seres humanos. Portanto, qualquer pane do material será, em última instância, efeito retardado de alguma falha humana anterior.

Será que teremos um dia dirigentes não só imbuídos de seus direitos mas também compenetrados de seus deveres?

3 pensamentos sobre “Los apagones

  1. Tenho acompanhado com apreensão o desenrolar de seus raciocínios sobre o Brasil. Explico: embora suas análises sejam sempre muito pertinentes e as conclusões lógicas, não consigo esconder de mim mesma a sensação de desconforto.
    É quase como se eu tivesse convidado você para visitar minha casa e, de repente, você começasse a apontar o pó acumulado sobre os móveis, a sujeira no piso, as janelas embaçadas. Como nunca fui uma boa dona de casa, fico repetindo para mim mesma que esses são apenas sinais indicativos de que alguém vive aqui ou de que a vida flui num ritmo próprio – que pode não estar em sintonia com o ritmo dos moradores.
    Está certo, admito que tenho vergonha do judiciário do meu país, dos políticos, dos governantes de plantão, assim como das “elites” brasileiras. Por outro lado, me pergunto qual é a parte que me cabe na ausência de reação oportuna e imediata.

    Curtir

    • Cara Myrthes, acho que, individualmente, nenhum de nós, simples cidadãos, tem de bater sua mea culpa. O que passou, passou ― a página das revoluções está irremediavelmente virada. A última arma que nos resta é o voto.

      Será processo longo, ao qual os que vierem depois de nós terão de dar continuidade. Em primeiríssimo lugar, eleger gente comprometida com a Instrução Pública. Igualmente importante, negar voto aos que se desviarem do caminho que haviam prometido trilhar.

      O Brasil costumava dormir em berço esplêndido. Hoje caiu da cama. E continua roncando no chão. Periga chegar ao século XXII ainda tentando “emergir”.

      Feliz ano-novo!

      Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s