Aclamada lá, ignorada aqui

José Horta Manzano

Neste comecinho de carrancuda tarde europeia – e neste comecinho de manhã brasileira que espero radiosa –, está sendo dada a partida da Transat Jacques Vabre(*), uma corrida de veleiros que, com o vigor de seus 26 anos de existência, tornou-se verdadeira tradição.

O percurso começa no porto de Le Havre (norte da França) e termina na sorridente cidade de São Salvador de Todos os Santos (Bahia). É organizada de dois em dois anos e, há 17 anos, o destino tem sido Salvador. Cada veleiro é pilotado por dois marinheiros. A corrida é chamada, às vezes, ‘Rota do Café’, em contraposição a outra tradicional corrida entre a França e o Caribe, a ‘Rota do Rum’.

Transat Jacques Vabre 2019: partida

Precisa muito treino, muito conhecimento e, principalmente, uma coragem impressionante pra enfrentar os perigos do oceano em embarcações bem menores do que as caravelas dos descobridores. É verdade que os modernos meios de comunicação ajudam, mas, quando uma tempestade faz o barco virar com os marinheiros aprisionados embaixo, telefone celular não é de grande valia.

A escolha de Le Havre é simbólica. Está ali «O Vulcão», construção monumental, uma espécie de canudo evasé truncado na parte superior, concebido por Oscar Niemeyer. É dedicado a manifestações artísticas, espetáculos teatrais, música e dança. É composto de dois auditórios.

“Le Volcan”, obra de Oscar Niemeyer
Le Havre (França)

Na França, faz dias que a mídia anda efervescente com a corrida. Hoje, estações de rádio e de televisão estão transmitindo ao vivo a largada. Especialistas comentam, técnicos explicam, engenheiros pontificam, antigos marinheiros relembram. Não há um francês que não esteja sabendo da partida dos barcos.

Consultei a imprensa brasileira. Hoje, dia da largada, nenhum dos grandes veículos nacionais deu a notícia. Nenhum. Nem mesmo a edição online de A Tarde, quotidiano de referência de Salvador. Por que esse desinteresse? Pra que serve o Ministério do Turismo? Francamente, fica às vezes a impressão de que o Brasil flutua num universo paralelo. Daqui a três semanas, quando os primeiros navegadores aportarem em Salvador, talvez apareça alguma nota de rodapé.

(*) A forma transat é usada na linguagem coloquial francesa para transatlântico.