Miosótis

José Horta Manzano

Você sabia?

Embora a flor não seja comum no Brasil, o nome miosótis é conhecido. A planta é pra lá de comum em regiões de clima temperado. Flores azuis desabrocham a cada primavera. Mais raramente, a cor pode ser rosa ou branca.

O miosótis (ou a miosótis, vai do gosto do freguês) é florzinha pequenina, delicada, perfeita pra entrar num buquezinho simples para a namorada.

Sabe-se lá por que razão, grande parte das línguas europeias, a começar pelo português, dão ao miosótis o sugestivo nome de não-te-esqueças-de-mim (ou não-te-esqueças).

Origem do nome
Velha lenda germânica relata que um dia, enquanto criava o mundo, Deus estava dando nome às flores: «Você será rosa! Você, gerânio! E você se chamará dália!»

E assim foi, uma por uma. Quando já estava quase terminando, uma flor pequenina e escondida num canto sentiu medo de ficar sem nome. Ousou dirigir-se ao Senhor:

«Não te esqueças de mim!».

E Deus, na lata:

«Pois esse será teu nome!».

Por excesso de fé ou por falta de criatividade, o português, o espanhol, o italiano, as línguas germânicas e até o russo seguiram a determinação divina:

Português: não-te-esqueças-de-mim
Inglês:    forget-me-not
Alemão:    Vergissmeinnicht
Espanhol:  nomeolvides
Russo:     незабудка
Sueco:     förgätmigei
Italiano:  nontiscordardimè
Holandês:  vergeet-mij-niet(1)

Por que será que todos procuram escapar do nome original? Talvez seja pela etimologia pouco poética. Miosótis vem do grego através do latim.

É composto de myós (rato) + otós (orelha). É isso mesmo: orelha de rato(2). Vai-se todo o romantismo, não?

(1) É interessante notar como algumas línguas preferem separar os termos com hífen, o que me parece complicação inútil. Outras escrevem tudo colado.

(2) Myós (rato) deu Maus em alemão e mouse em inglês, termo corriqueiro, devidamente fisgado por nossa novilíngua para uso em computador. Podiam, ao menos, ter aportuguesado (maus). Em vez disso, o termo foi adotado e engolido cru. Como resultado, uma sílaba foi acrescentada à pronúncia original. No Brasil, em vez de maus, ouve-se máuzi.

Otós (orelha). Em nossa língua, a raiz reaparece em termos ligados à saúde: otite, otalgia, otologia, otorrino.

Publicado originalmente em 12 ago 2015.

Miosótis

José Horta Manzano

Você sabia?

Miosótis 2Embora a flor não seja comum no Brasil, o nome miosótis é conhecido. A planta é pra lá de comum em regiões de clima temperado. Flores azuis desabrocham a cada primavera. Mais raramente, podem ser de cor rosa ou branca.

O miosótis (ou a miosótis, vai do gosto do freguês) é florzinha pequenina, delicada, perfeita pra entrar num buquezinho caseiro a ser oferecido à namorada.

Sabe-se lá por que razão, praticamente todas as línguas europeias dão ao miosótis o sugestivo nome de não-te-esqueças-de-mim (ou não-te-esqueças).

Miosótis 1O inglês, o alemão, o espanhol, o russo, o sueco, o italiano, o holandês seguem a mesma linha: forget-me-not, Vergissmeinnicht, nomeolvides, незабудка, förgätmigei, nontiscordardimè, vergeet-mij-niet.

Miosótis 3Por que será que todos procuram escapar do nome original? Talvez seja pela etimologia pouco poética. Miosótis vem do grego através do latim.

É composto de myós (rato) + otós (orelha). É isso mesmo: orelha de rato(*). Vai-se todo o romantismo, não?

Interligne 18c

(*) Para conferir:

Myós (rato) deu Maus em alemão e mouse, termo corriqueiro, devidamente fisgado por nossa novilíngua.

Otós (orelha) perdura na otite e no otorrinolaringologista.