Piada de português


Piadas de português agora são de brasileiro


Nelson Motta

Estive alguns dias em Lisboa e Madri e fiquei emocionado em ver ruas cheias, comércio movimentado, bares, restaurantes, cinemas, teatros, shows e estádios lotados. As pessoas parecem mais leves e esperançosas. Máscara obrigatória em lugares fechados, sem discussões. A vida está ficando mais parecida com o que era antes, só que com mais entusiasmo para recuperar o tempo perdido.

Talvez sejam só impressões de turista egresso do inferno tropical, afinal, na Espanha e em Portugal nem todos os problemas se resolveram com o “fim” da pandemia. Mas agora eles têm um horizonte. Já se respira mais aliviado e a vida renasce sem medo, talvez mais forte. Me sinto como um dos bichos saídos da arca de Noé depois do dilúvio.

Acima de tudo a volta do mais elementar e fundamental dos direitos: poder andar sozinho (e sem máscara) pelas ruas a qualquer hora sem medo de ser assaltado ou agredido por bandidos ou pela polícia ou pela milícia.

Sim, ainda há antivacinistas, que têm a liberdade de não se vacinar, mas todos os estabelecimentos públicos e privados têm a liberdade de só permitir a entrada de vacinados. Liberdade ou é para todos ou é para ninguém.

Uma agradável curiosidade em Lisboa: uso uma daquelas maquininhas que furam o dedo e analisam a taxa de glicose do sangue (para prevenção de diabetes) e a minha quebrou, então fui a uma farmácia e, depois, meio incrédulo, a outra, e nas duas me deram a mesma resposta: “Estes aparelhos não podem ser comprados em lugar nenhum. É proibido vendê-los. Só podem ser dados — de graça — pelo Serviço de Saúde Pública mediante receita de um médico”. Como dizia Nelson Rodrigues, fiquei besta.

Depois, comentando com um amigo português, ex-ministro de governos socialistas, ele fez uma expressão de enfado e foi quase irônico: “Deve ser porque é muito mais barato gastar nessa prevenção do que tratar e salvar vidas de diabéticos, especialmente velhos e pobres”.

Ele acompanha com preocupação, espanto e compaixão o transe brasileiro, mas não acreditou que o governo gastou mais no lançamento da nota de 200 reais (que agora, em dólar, só vale 190) do que nas campanhas de prevenção da Covid.

Nas rodas políticas, todo mundo ainda comenta, e certamente aumenta, a grosseria das piadas que o Bozo contou ao professor Marcelo Rebelo de Souza, presidente de Portugal, um homem educado, respeitado e verdadeiramente querido pelo povo, que vai ao supermercado e à praia sozinho, sem seguranças. E presidiu Portugal na vitória contra a Covid.

Com sua sutileza cavalar, ele é capaz até de ter contado piadas de português ao presidente. Só não imaginava que o “português” era ele mesmo, piada do mundo, que se vangloria de ser “o único chefe de estado do planeta que defendeu a cloroquina”.

Todos os outros que estão rindo dele são burros e desinformados.

(*) Nelson Motta é jornalista, escritor, musicólogo e produtor teatral.