Amigo da cloroquina

Prof. Didier Raoult, médico francês defensor da cloroquina contra a covid

José Horta Manzano

Já escrevi um artigo, tempos atrás, sobre o doutor Didier Raoult, lombrosiano médico francês adepto da cloroquina e de outras poções mágicas contra a covid-19.

Contam que, na adolescência, ele teria sido testado com um Q.I. de 180. Desde então, o homem se considera um gênio e, como todo gênio, infalível. Já às portas da setentena, continua a se achar digno de figurar na mesma galeria que Albert Einstein, Luis Pasteur e Marie Curie.

Assim que a covid-19 começou a fazer estragos, o doutor fez saber que tinha descoberto o remédio miraculoso que acabaria com a epidemia em três tempos: era a cloroquina. Como prova, afirmou que, no departamento hospitalar do qual era responsável, dos 23 internados com a doença, nenhum tinha morrido. Naturalmente, atribuiu a cura à cloroquina, administrada aos pacientes por sua genial inspiração.

O passar do tempo e a experiência de centenas de milhares de médicos ao redor do globo se encarregaram de contradizê-lo. Uma amostragem de 23 pacientes estava longe de ser estatisticamente significativa para tal conclusão. Não, a cloroquina não previne nem cura a covid.

No entanto, convencido da própria genialidade, Raoult insistiu. Além de bater pé firme na cloroquina, ainda acrescentou ao seu arsenal terapêutico a ivermectina e a ciclosporina. Já perto da aposentadoria, que se deu por compulsória no fim do mês passado, veio com sua última pérola.

Afirmou, com a empáfia que só a cegueira da vaidade lhe permite, que uma leve camada de Vick Vaporub espalhada com o dedo no interior das narinas protege contra o coronavírus. Na falta desse medicamento, parafina ou vaselina substituem. Explicitou que, como não era lobista da firma Vicks, dava seu conselho como contribuição pessoal à saúde pública.

Muita gente recebeu com alívio o anúncio de que doutor Raoult, uma personalidade um tanto ‘espaçosa’, deixava de fazer parte do Hospital Universitário de Marselha a partir de 1° de setembro.

Não sei a quantas anda a fixação de Bolsonaro em cloroquina e outros tratamentos milagrosos contra a covid. Ele parece aceitar qualquer coisa, desde que não seja a vacina. Cá entre nós: é comportamento de quem tem medo pânico de injeção.

Se ele ainda estiver interessado em cercar-se de defensores do “remédio das emas”, que alguém o avise de que o professor francês está disponível. Um cabidezinho sempre há de se encontrar, que as tetas da nação são generosas.

2 pensamentos sobre “Amigo da cloroquina

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s