Negar convite?

José Horta Manzano

Chamada do Valor Econômico

A reação de Donald Trump diante do convite para depor não surpreende, considerando o enorme rabo preso que o homem tem. Com as acusações que lhe pesam nas costas – incitação à violência, achaque às instituições, difusão de notícias falsas, desleixo no trato da pandemia y otras cositas –, é compreensível que ele fuja do depoimento. Já que não passa de “convite”, qualquer um fugia.

Só que o estagiário cometeu um escorrego no enunciado da chamada. Está escrito que Trump «nega convite». Não é uma construção adequada. O verbo negar, embora tenha numerosas nuances, não é sinônimo de recusar.

Negar um convite é afirmação que, neste caso, não tem propósito. Só faria sentido num caso muito especial. Suponhamos que, para o Carnaval americano (Halloween), Trump organizasse o baile das abóboras, uma festa onde só se pudesse entrar com convite. Suponhamos ainda que Biden, louco pra comparecer, pedisse pra ser convidado. Aí sim, Trump podia negar o convite (=negar-se a convidar). É que, neste caso, o emissor do convite é Trump, e ele pode conceder ou negar o convite a Biden.

Não é, evidentemente, o que o estagiário quis dizer na chamada acima. No caso presente, o convidado é o próprio Trump. Esse convite para depor pode ser aceito ou recusado, sem outra opção. Trump recusou. Portanto, a chamada do jornal ficará perfeita assim: “Trump recusa convite para depor em investigação de impeachment”.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s