Satisfação impossível

José Horta Manzano

Desde sempre, o brasileiro conviveu com a desonestidade e com a corrupção. É coisa que vem de longe. A pátria amada nunca foi nenhuma Dinamarca. Sabia-se que tal governante, ao término do mandato, tinha levado embora as cortinas do palácio. Diziam que aqueloutro tinha passado a mão no cofre. Um terceiro era suspeito de ter nomeado todos os parentes para cargos públicos.

Ninguém se escandalizava. «Faz parte do jogo» ‒ filosofava-se. Mas isso foi nos tempos de antigamente. Um belo dia, apareceu essa Lava a Jato. No começo, ao prender doleiros, veio com ares de saneadora de circuitos financeiros. Depois, conforme o fio foi sendo puxado, um novelo descomunal foi chegando à luz. Abriu-se um remoinho que engolfou gente cada vez mais graúda, de mensageiros a grandes empresários, de vereador a presidente da República.

À medida que os podres foram aparecendo, o brasileiro foi-se indignando. Não é tanto que os ‘malfeitos’, em si, o tenham incomodado. Essas distorções de comportamento eram suspeitadas desde sempre. O que espavoreceu a nação foi o volume da rapina. Dizem que quem rouba um tostão rouba um milhão. Dizem, mas… na hora do vamos ver, não é bem assim. Pra roubo de tostão, ninguém liga. Já roubo de milhão dói. Dói no bolso de quem foi assaltado, evidentemente. Dá muita raiva.

Foi esse estado de espírito que levou à derrubada de Dilma Rousseff. Não foram tanto as ‘pedaladas fiscais’, noção financeira difícil de captar, que destronaram a doutora. Foi a percepção difusa de que uma quadrilha estava aboletada no Planalto. Mas a queda não apaziguou a inquietação popular. O sentimento de estar sendo espoliado permaneceu latente até as eleições de 2018. Foi quando a escolha popular se concentrou naquele que surgiu como paladino da justiça, salvador da pátria, o homem que reporia o país nos trilhos da decência.

Mas as decepções represadas havia anos e anos constituíam carga pesada demais. Ingenuamente, todos tinham a secreta esperança de que, já na primeira semana do novo mandato, despontaria um Brasil saneado, dedetizado, livre de malefícios e pronto pra começar a crescer decentemente. Quá! Ninguém faz milagre. O novo governo pode ser menos ganancioso que os anteriores, mas tem-se mostrado errático, deslumbrado, fraco, desajeitado, tosco, incapaz de acertar o passo.

Pode até ser que, para o futuro, melhore um pouco. (É a esperança que guardam todos os que gostariam que o país desse uns passinhos à frente.) Seja como for, ficarão sempre uma decepção e um gosto de desperdício. Era previsível. Esperanças exageradas dificilmente são satisfeitas. Se os atuais inquilinos do Planalto roubarem menos que os predecessores, já estará de bom tamanho.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s