E passam as décadas

José Horta Manzano

Você sabia?

Muitos anos atrás, quando eu ainda não entendia do riscado, um costume suíço me parecia curioso. Quando um cidadão ‒ o mais das vezes, uma cidadã ‒ completa 99 anos de idade, é de praxe o prefeito fazer-lhe uma visita e levar um presente.

Dependendo da região, o regalo varia. Nos arredores de Lausanne, Genebra e Sion, o ancião recebe uma jarra de estanho que chamam channe. É recipiente típico pra servir vinho branco. Desconfio que a palavra channe, que desapareceu na França mas se conserva no falar suíço, possa ser parente de nossa caneca, que os etimólogos jogam no balaio comum dos termos de origem desconhecida.

Channe avec 3 gobelets (jarra com 3 copinhos)

No começo, não entendia por que entregavam o presente no 99° aniversário. Por que será que não esperavam o centésimo, cifra redonda? Talvez por receio de que a velhinha cansasse de esperar e se fosse? Um dia, entendi.

Com muita lógica, o suíço mede os anos de vida de modo ligeiramente diferente do nosso. Considera que, no dia em que nasce, a criança já entra no primeiro ano de vida. Vive esse primeiro ano inteiro e, doze meses mais tarde, completa-o. É quando a família se reúne pra cantar o Parabéns a você. Nesse dia, a criança entra no segundo ano de vida, ano que só estará completo doze meses depois.

E assim por diante. Portanto, no dia em que a velhinha completa 99 anos de vida, entra no centésimo ano. É justamente o fato de ter chegado a esse ano simbólico que dá lugar à cerimônia de entrega do presente.

É interessante que os alemães usam a mesma lógica pra dizer as horas. Têm em mente que, no instante em que os ponteiros se cruzam pra marcar meia-noite, entra-se na primeira hora, que só será completada 60 minutos depois. E assim por diante.

Artigo Estadão, 18 jun 2018
clique para ampliar

Pra dizer as horas, o alemão leva em conta essa realidade. Às 7h15, ele dirá que já se passaram 15 minutos da oitava hora. Às 7h30, já se terão passado 30 minutos da oitava hora. É como ele dirá: halb acht (metade de oito), ou seja, metade da oitava hora.

O mesmo vale para as décadas vividas. Ao nascer, o bebê entra de cara na primeira década de existência. Ao completar dez anos de idade, a criança entra direto na segunda década. E assim por diante.

O Estadão publicou, estes dias, artigo interessante sobre os problemas de voz que castigam antigos ídolos da canção ligeira de meio século atrás. Todos sentem o peso dos anos. O curioso é que a reportagem informa que os cantores vivem «sua sétima década de vida». O autor bobeou. Setentões, os antigos ídolos estão vivendo a oitava década de vida.

Pode até assustar, mas assim é.

2 pensamentos sobre “E passam as décadas

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s