Jusante e montante

José Horta Manzano

Dizem que os esquimós têm umas vinte palavras para designar a neve. Neve molhada, neve que acabou de cair, neve pisada, neve endurecida, neve caindo, neve com ventania ‒ cada uma delas se descreve com palavra específica. É compreensível. O jardim deles é a neve.

Vento 4Na Europa, as grandes chegadas de população se deram de dentro para fora. Provenientes do interior do continente, bárbaros, germânicos, mongóis, otomanos progrediram em direção ao mar. No interior das terras conquistadas, havia poucas estradas traçadas. O caminho natural eram as rotas fluviais, que conferem ao viajante intimidade com montes e vales. As populações ribeirinhas se tornam especialistas em curvas, corredeiras, correntezas e ventos.

No Brasil, diferentemente da Europa, o grosso da população veio pelo mar. Nos primeiros séculos, praticamente todos os que chegavam iam se estabelecendo na costa. Com a honrosa exceção do São Francisco ‒ e da bacia amazônica, onde poucos se aventuraram nos primeiros tempos ‒, os grandes rios brasileiros navegáveis correm no interior das terras. Exemplo significativo é a bacia do Paraná/Paraguai, que abarca enorme extensão de nosso território para, enfim, desembocar em terras castelhanas.

Vale 2Isso faz que a noção de vale, uma depressão espremida entre terras altas, não venha revestida, no Brasil, da importância estratégica que representa em outros lugares. Os importantes vales do Reno, do Ródano, do Danúbio, do Mississipi não têm equivalente em nossas terras. Rios brasileiros navegáveis, como o Tietê e o São Francisco, não deram origem a notável concentração populacional.

VentoParticularidades como essa influenciam o falar. A neve é rara em nosso território, portanto uma palavra basta para designá-la. Do mesmo modo, não fazem falta termos específicos para indicar a localização de um determinado ponto à beira de um rio em relação a outro ponto situado à margem desse mesmo rio. Contentamo-nos com “rio acima” e “rio abaixo”.

No entanto, as palavras exatas existem. Para indicar um ponto situado no mesmo rio, porém mais abaixo, temos a expressão a jusante. Para nos referir a um ponto situado na direção contrária, a expressão é a montante. Por exemplo, a cidade de Petrolina (PE), à margem do São Franciso, está a jusante de Xique-Xique (BA), que fica quilômetros rio acima. São expressões pouco utilizadas, quase desconhecidas, restritas ao jargão de cartógrafos, agrônomos e geógrafos.

2016-0605-03 IstoéDias atrás, ocorreu um vendaval na região de Campinas (SP). É assim que descrevemos uma tempestade com vento fortíssimo, daqueles de destelhar casa. Pouco importa de que direção venha o vento: se for forte, sempre vendaval será.

É palavra importada. O original francês vent d’aval designa vento forte que vem do oceano, entra pelo vale, sobe o canal fluvial e vai balançar casas e coqueiros situados muitos quilômetros a montante da desembocadura. Em sentido figurado, é útil para nomear sentimento avassalador ‒ vendaval de paixões(*).

Pode-se dizer, sem medo de errar, que a ponta de tapete levantada pela Operação Lava a Jato vem causando um vendaval no andar de cima. Vendaval de pânico.

Interligne 18c

(*) Vendaval de paixões é o título brasileiro do filme Reap the Wild Wind, de 1942, com John Wayne e Paulette Goddard.

Um pensamento sobre “Jusante e montante

  1. Estava adorando a aula de geografia até que mo final do texto dei com os costados na Lava Jato e voltei para a real.

    Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s