Escola em fatias

José Horta Manzano

Onibus 6Longe do Brasil e há muitos anos apartado da escola, confesso que não acompanhei o diferendo que resultou em ocupação de estabelecimentos escolares no Estado de São Paulo. De notícia boa, a gente corre atrás. De notícia ruim, a gente foge – só lê por obrigação.

Uma cara amiga e fiel leitora me fez, em poucas linhas, um resumo da situação. Foi um relato claro como manual de English for beginners. Se não me tornou especialista, deu-me visão global do problema. Fica aqui registrado meu agradecimento.

Se bem entendi, as autoridades que cuidam da educação em São Paulo propõem que a escola pública seja compartimentada por ciclos. Cada escola se dedicaria unicamente a um deles. Assim, escola de ciclo básico não acolheria alunos do intermediário nem do secundário. E assim por diante.

Escola 1Se raciocinarmos no absoluto, passando por cima dos considerandos, a ideia não é absurda. Combina com o que se faz no resto do mundo. Aqui na Suíça, por exemplo, é assim que funciona, a começar pela creche: berçário para crianças muito novinhas e creche para os maiorzinhos não estão necessariamente no mesmo vilarejo. Quem tem duas crianças em idade pré-escolar tem de depositar cada filho numa creche diferente, situada noutro lugar. Mais tarde, o problema desaparece, porque o transporte escolar se encarrega de levar e trazer os guris a partir de sete anos de idade.

Feliz ou infelizmente, Brasil não é Suíça. As condições de vida diferem muitíssimo de um país ao outro. A mobilidade urbana – que, em metrópoles brasileiras, melhor seria descrita como «imobilidade urbana» – é fonte de graves problemas no Brasil. A predominância de famílias de renda baixa é outro estigma nacional.

Na outra ponta, muitos professores brasileiros só conseguem sobreviver se acumularem dois (ou mais) empregos em ciclos diferentes. Se o dia a dia desses profissionais já é carregado, ficará infernal caso a reforma vingue.

Onibus 7Não há garantia de que sistemas testados e aprovados nalgum lugar continuem a funcionar bem quando transplantados a outras plagas. Para que a especialização de cada estabelecimento de ensino possa ser adotada no Brasil, há que estar atento ao transtorno que possa trazer a pais e alunos. Não se fala aqui de problemas de adaptação de um pequerrucho a nova escola. Nossos empecilhos são reais, palpáveis, espinhudos, às vezes intransponíveis.

No dia em que as condições de vida do cidadão brasileiro tiverem evoluído e atingido nível civilizado, será chegado o momento de criar estabelecimentos especializados para cada ciclo. Por enquanto, o quadro geral não permite dar esse passo.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s