O incontrolável Putin

– Você está vendo chegar alguma coisa?
– O passado!
by Patrick Chappatte (1966-), desenhista suíço

 

José Horta Manzano

Putin me lembra cada vez mais Bolsonaro. Sofrem ambos do mesmo mal. Ao adotar o terror como método de mando, recebem de volta uma submissão obsequiosa mas vazia, que lhes acaba sendo nociva.

Vladímir Putin, o obscuro buracrata de 30 anos atrás, aprendeu a dirigir seus comandados utilizando os métodos pouco ortodoxos que aprendeu com seus superiores. Os anos que passou na polícia secreta lhe ensinaram a ser dissimulado, duro e impiedoso. Os anos que passou como braço direito do chefe da máfia de São Petersburgo lhe ensinaram a impor-se pela violência desabrida e ilimitada, exatamente como fazem os chefes mafiosos.

É desse modo que Putin entende que devam ser resolvidos os conflitos: primeiro, pela dissimulação e pelo engodo; em seguida, pela violência sem rédeas.

O rapaz subiu na vida, enricou, tornou-se homem de poder. Mais temido que respeitado. Infunde o terror a seu redor. Seus áulicos se dividem em dois grupos: os do “sim” e os do “sim, senhor”.

O ditador pode até ser esperto, mas ninguém é perfeito. Ele não tem qualidades de estrategista militar – não foi formado para isso. Na sua cabeça encruada, descurou a dimensão emocional. Dado que é praticamente desprovido de emoções tem dificuldade em imaginar que os outros possam, em certas circunstâncias, agir sob o império do abalo e da comoção.

Quando expôs a seus ministros e generais o plano de invasão e anexação da Ucrânia, as reticências de alguns, se houve, terão sido tímidas. Quem é que ousa contradizer o chefão? Afinal, todos devem a ele o cargo e as benesses. (Isso me lembra alguém, mas não é o caso de mencionar aqui, que o tema é outro.)

Putin não levou em consideração, talvez por não ter aprendido, que não há nada melhor para unir um povo que um inimigo externo. Os bondosos irmãos Castro e o bigodudo Maduro aprenderam isso há séculos – eis por que não se cansam de praguejar contra o “império”. Basta mencionar o império para acender a chama patriótica no povo.

Putin provavelmente imaginava que, à vista do primeiro tanque de guerra russo, o povo ucraniano lançaria flores aos invasores e cantaria loas à glória do capo de Moscou. Deu tudo errado. A Ucrânia, minúsculo território comparado à Rússia, e o exército ucraniano, um anão comparado ao superequipado invasor, têm dado conta do recado. Até o momento em que escrevo, travam luta heroica e retêm os agressores.

Circulam na mídia cenas comoventes de chefes de família que acompanham mulher e filhos até a fronteira polonesa e, depois de deixá-los em lugar seguro, despedem-se e sobem no trem para voltar. “Quero lutar para ajudar meu país a expulsar os invasores”. É emocionante.

Ganhar o domínio dos ares é fácil, quando se possuem armas de última geração, mísseis, caças, drones. Avançar em embates urbanos é completamente diferente. E bem mais complicado. Os generais russos de 80 anos atrás sabiam disso. Levaram dias e dias para chegar ao centro de Berlim. Foram lutando casa por casa, quarteirão por quarteirão até chegar à sede do poder. Pelo que se vê, os generais de Putin esqueceram a lição. Ou o chefe lhes deu um cala-boca.

O mesmo efeito de coesão diante da ameaça se observa entre os membros da Otan e da União Europeia. Putin tentou se aproveitar das divisões internas. Imaginou que os europeus nunca chegassem a um acordo. Deu com o nariz na porta. Em 48 horas, colheu espinhos.

Os 27 membros da UE fecharam o espaço aéreo para aviões russos e cancelaram todos os voos para a Rússia. Com isso, ninguém mais vai da Europa a Moscou, a não ser que passe pelo Saara ou pela Mongólia. A Alemanha dobrou o orçamento militar, coisa nunca vista desde 1945. A moeda russa derreteu. Os jovens soldados russos enviados por Putin devem se perguntar o que é que estão fazendo na Ucrânia, atirando contra mulheres e crianças que são, no fundo, iguais a eles.

Na História moderna, não há registro de estrategista tão ruim. Só por isso, Putin merecia ser despachado de volta à própria insignificância. Um golpe de Estado na Rússia seria aplaudido no planeta. Daria um alívio ao mundo. Até que surgisse novo aprendiz. Num país de tradição autoritária como aquele, tudo é possível.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s