Malária

José Horta Manzano

Desde tempos antiquíssimos, a malária tem castigado a face da Terra. O combate contra essa praga se confunde com a história da humanidade, dado que tanto o protozoário responsável pela doença quanto o mosquito que a transmite apareceram antes do Homo Sapiens.

Atualmente, a moléstia está praticamente erradicada nas regiões de clima temperado, onde se situa a maioria dos países desenvolvidos. Isso contribui para que seja vista como doença de país subdesenvolvido. É verdade e, ao mesmo tempo, não é.

Nas regiões mais quentes – equatoriais, tropicais e subtropicais – chove muito. A acumulação de água no solo concorre para formar pântanos, banhados e alagados. Toda essa água parada, aliada ao calor, é excelente viveiro para o mosquito transmissor. O combate a sua proliferação se torna complicado. Portanto, as condições climáticas são importante fator a tornar endêmica a doença.

Na época da grande onda de imigrantes europeus, lá pelo final do século 19, os portos brasileiros do Rio de Janeiro e de Santos, de clima quente e úmido, eram infestados pelo mosquito da malária, o que assustava numerosos candidatos à imigração. Na Europa, certas companhias de navegação, para atrair clientes, informavam ter navios de partida para Montevidéu e Buenos Aires sem parada no Rio de Janeiro.(*)

A feroz urbanização das cidades costeiras do Brasil trouxe problemas, mas teve efeito colateral positivo: ao eliminar várzeas e brejos, diminuiu a quantidade de viveiros do mosquito transmissor da malária. E a doença regrediu. Regrediu, mas não desapareceu. O combate continua.

Tenho lido notícias sobre os ajuntamentos provocados por doutor Bolsonaro, em campanha eleitoral temporã. Já se vê que, por detrás do sorriso de fachada, o homem continua dando banana para o povo e rosnando um debochado “E daí”. Ajuntamentos favorecem o alastramento da covid-19. “Ora, todos têm que morrer mesmo”.

Além de eventuais condenações penais, a biografia de doutor Bolsonaro vai carregar dois pecados. O primeiro é o charlatanismo de um mandatário que praticou medicina sem ser médico e receitou antimalárico contra coronavírus. A segunda culpa é ter contribuído, por atos e gestos, para a formação de multidões e, assim, para difusão desenfreada da pandemia de 2020.

Imigrantes europeus já não vêm mais ao Brasil. Mas turistas, sim. Se o fluxo de turistas – que já é minguado – diminuir, doutor Bolsonaro carregará boa parte da culpa. Responda rápido: o distinto leitor arriscaria passar férias num país onde a covid-19 se tornou endêmica e continua, impiedosa, a fazer vítimas?

Vêm aí a covid-20, a covid-21, a covid-22, a covid-23. Todas bolsonáricas de raiz. Prepare-se.

Outros nomes
Malária (do italiano mal’aria = mau ar, ar danoso), maleita (do latim maledicta = maldita), paludismo (do latim palus = lodaçal, brejo) são palavras sinônimas. Certos dialetos brasileiros usam ainda febre terçã e sezão, em referência à periodicidade das crises. Menos utilizadas, há ainda outras denominações para a mesma enfermidade: impaludismo, sezões, sezonismo, febre palustre, febre intermitente, febre quartã.

(*) Muito imigrante italiano há de ter trocado Santos ou o Rio de Janeiro por Buenos Aires com base no nome da cidade. De fato, o nome da capital argentina (Buenos Aires = ares bons) parecia antídoto contra a malária (mal’aria = ares ruins).

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s