Contrato maleável

José Horta Manzano

Não é credível que o governo de nossa República, ao combinar com o regime cubano as modalidades de importação de pessoal da área médica, não estivesse a par das peculiaridades da remuneração dos profissionais.

Portanto, se assinaram o convênio e aceitaram suas condições, fizeram isso com conhecimento de causa. Estavam a par de que os missionários receberiam menos de 10% do total desembolsado pelo contribuinte brasileiro.

Quem assina, concorda. Que não venham agora alegar ignorância. Essa história de «eu não sabia» ficou como imagem de marca de personagem em acelerada via de decadência. Não cai bem requentar o símbolo.

Nossos mandachuvas têm o persistente e irritante costume de só trilhar o caminho certo quando pressionados a fazê-lo. São como criança pequena: exigem atenção 24 horas por dia. Bobeou, fazem besteira.

Foi preciso que uma certa Ramona ― admitida no «programa» na qualidade de médica ― botasse a boca no trombone, em atitude temerária. Não fez mais que gritar bem alto o que todo o mundo já sabia. Mas seu trombone soou forte, e ninguém mais pôde fazer de conta que o problema não existia.

Crédito: Nani (Ernani Diniz Lucas) Desenhista mineiro

by Nani (Ernani Diniz Lucas)
Desenhista mineiro

Ficou claro que o governo brasileiro patrocina trabalho escravo. Ficou escancarado que, apesar de se autoproclamar justo e igualitário, o governo popular faz vista grossa a gritantes desigualdades ― desde que seus interesses pecuniários sejam preservados.

Assim mesmo, medo pânico se infiltrou nos bastidores! E agora? Se «debandar geral», como é que fica? Por mais que o atual estilo de governar ande desmoralizado, ainda não tocou o fundo do poço. Continua presente a ameaça de descer mais fundo. Mais vale pôr um esparadrapo enquanto é tempo, antes que a sangria se torne inestancável.

Eis que, de repente, nosso bondoso governo prepara gestões junto aos bons velhinhos de Cuba para pedir-lhes que concedam um aumentozinho no holerite dos missionários. Pode ser coisa pouca, um cala-boca pra inglês ver. Sempre ajuda.

Lígia Formenti e Vera Rosa, do Estadão, nos dão conta do embaraço e da aflição que invadiram a alma de nossos dirigentes ao perceberem que a remuneração dos infelizes cubanos equivalia à décima parte do que recebem os profissionais, digamos assim, normais. Nosso governo, que não suporta injustiça na distribuição de benesses, indignou-se.

Até a abnegação missionária tem limites, que diabo!

PS:
Como diz o outro, se importaram médicos cubanos para melhorar a saúde, quero políticos suecos para acabar com a corrupção.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s