Kintsugi

Prato de Rosina Wachtmeister após restauro Kintsugi

José Horta Manzano

Um dia um prato que estava pendurado na parede da cozinha despencou e se espatifou no chão. Eu gostava muito da peça, uma porcelana pintada pela artista austríaca Rosina Wachtmeister, especializada em retratar gatos estilizados.

Rosina teve um percurso de vida peculiar. Nascida na Áustria em 1939, emigrou para o Brasil, junto com a família, quando estava com 14 anos. Passou a adolescência e o início da vida adulta em Porto Alegre, onde aprendeu Pintura e Escultura na Escola de Belas Artes. Aos 28 anos, casou-se com um italiano e voltou para a Europa. Estabeleceu-se na Itália, onde vive até hoje. Está com 83 anos.

Chateado com o prato espatifado, fui à internet pra ver se conseguia encontrar outro igual. Nada feito, era uma série limitada. Nesses sites em que particulares vendem velharias, encontrei pratos semelhantes, mas nenhum tão bonito como o meu. De repente, não me lembro onde, li um artigo que falava de Kintsugi.

Trata-se de uma técnica japonesa de restauração de objetos de porcelana e cerâmica quebrados. Os japoneses são um povo que não despreza a velhice, antes, respeita e valoriza pessoas e coisas antigas.

A filosofia nipônica parte do princípio que peças antigas têm grande valor por carregarem uma longa vivência. Quando se quebram, devem ser restauradas. E as cicatrizes não precisam ser disfarçadas, ao contrário, devem ser acentuadas para mostrar que o objeto é antigo e tem valor. O reparo é feito com cola misturada com ouro em pó, de maneira que as cicatrizes fiquem bem aparentes.

Meu prato quebrado não tinha tanto valor, ao ponto de merecer ser consertado com pó de ouro. Numa loja de bricolagem, encontrei a cola e um pó dourado, feito não sei de quê, mas de cor bonita e preço abordável. Não foi difícil consertar o objeto, que voltou a ser dependurado exatamente no mesmo lugar de onde havia despencado.

Lembrei desse episódio estes dias, quando vi foto dos caquinhos a que ficaram reduzidos vasos chineses vandalizados nos palácios da República pelos discípulos de Seu Mestre. Os restauradores vão ter muito trabalho. Não acredito que venham a recorrer ao kintsugi.

4 pensamentos sobre “Kintsugi

  1. Achei maravilhoso o seu prato (cheguei a ficar com inveja) mas, vamos combinar: o seu trabalho de restauração ficou aquém da expectativa. Que tal passar mais uma demão de cola e pó de ouro para que a fratura fique sobressaltada e adquira um caráter mais “artístico”?

    Curtir

      • Não, não é isso. Compare a foto das emendas do seu prato com as da cerâmica com efeito kintsugi original: no segundo caso, as linhas estão em relevo, como se tivessem sido feitas como adorno em cima de uma peça íntegra (e, por isso, não dá pra ver que a peça estava quebrada). No seu caso, as linhas feitas com cola e pó estão mais “fundas” do que o restante da superfície do prato, o que torna evidente que ele está quebrado. Pelo que entendi, o fato das linhas serem “gordas” e saltadas permite que elas sejam integradas visualmente ao conjunto. Por isso sugeri que você faça mais uma demão.

        Curtir

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s