O paletó

José Horta Manzano

A primeira foto
Treze anos separam estas duas fotos. A primeira, de novembro 2009, mostra um Lula ainda galhardo recebendo Nicolas Sarkozy. O então presidente da França, tendo acreditado nas promessas do demiurgo, trazia no bolso de trás o contrato de venda dos caças de última geração franceses Rafale. A euforia não ia durar muito.

Naquela altura, nem Lula nem Sarkozy podiam imaginar que cada um deles teria, anos mais tarde, de enfrentar a justiça. Lula foi o primeiro. Perdeu, e teve de passar ano e meio à sombra. Sarkozy, já condenado em primeira instância a 3 anos de prisão (dos quais um em regime fechado), recorreu e espera atualmente a decisão da segunda instância.

Lula purgou parte de sua pena. A virulência de Bolsonaro, a violência de sua gestão e os escândalos de corrupção que pipocam em torno da Presidência acabaram minimizando os “malfeitos” do Lula. Comparadas ao que se vê hoje, as diabruras dos “aloprados” de outrora parecem pecadilhos infantis.

A segunda foto
A segunda foto, bem recente, mostra um Lula que soube resistir a um excesso de procedimentos estéticos e que hoje não exibe o rosto tipo Barbie como Putin. Assim mesmo, um certo envelhecimento é visível. É da vida.

O distinto leitor talvez tenha reparado num detalhe que acompanha nosso guia em ambas as fotos: a camisa. Trata-se de um modelito pseudandino (quando se podia escrever pseudo-andino ficava mais claro), confeccionado por afamado alfaiate de La Paz. A camisa – será um blusão? – foi oferecida ao Lula por Evo Morales, então todo-poderoso chefão boliviano, aquele que se apossou de uma refinaria da Petrobrás com anuência do lulopetismo, lembra?

Pelo estado impecável em que se encontra a camisa-blusão, ela parece ter sido feita com tecido de qualidade superior. (Americano talvez? Ui! Cala-te, boca!) Quem passa muito tempo encarcerado costuma economizar roupa. É que, em países mais organizados, presos usam uniforme. Não foi o caso do Lula. Passou ano e meio trancafiado na sede da PF de Curitiba, numa suíte com banheiro e esteira particulares. Não usou uniforme. Deve ter usado muito pouco a camisa. E deve ter cuidado muito bem dela.

E daí?
E daí? Se lhe deram de presente, é dele. Usa quanto e quando quiser.

Será?
A partir do momento em que um cidadão se apresenta como pré-candidato a um cargo público, atrai os holofotes. Deve então tomar certas precauções e prestar atenção no que diz, onde vai, com quem vai, como se veste.

O Lula já parece ter entendido que não convém aparecer em público vestindo camiseta vermelha ornada de foice e martelo. Se fizesse isso, abriria uma avenida à voz crítica dos que temem um “comunismo” morto e enterrado há 30 anos.

Ninguém exige que nosso guia apareça em público trajando terno e gravata, que ficaria demasiado artificial. Assim mesmo, se eu pudesse dar a ele um conselho, acho que ele devia evitar trajes exóticos como a “guayabera” (uniforme de caribenhos e dos bondosos irmãos Castro), o chapelão do hondurense Zelaya e, naturalmente, a camisa-blusão do Evo Morales. São peças de vestuário que remetem a “compañeros” sulfurosos. Exibir essas relíquias é abrir o flanco para ataques do adversário.

Nos tempos que correm, basta uma boca fechada e pouco de recato no vestuário pra ser logo visto como presidenciável. A que ponto chegamos, não?

Quem avisa, amigo é.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s