Alitalia defuncta est

José Horta Manzano

Em 14 de outubro, o último voo da companhia Alitalia levou 177 passageiros da Sardenha a Roma. Se digo “último voo”, é porque foi o último mesmo. A companhia deixou de existir, entregou o balanço, baixou a porta da garagem e enfiou as chaves por baixo.

Até certo porto, a história faz lembrar o drama vivido pela Varig três décadas atrás. Quem não é do ramo chega a se perguntar como é possível uma empresa desse porte ir à falência. Acredito que a resposta seja sempre a mesma: erros de estratégia e de gestão.

Alguns dirão que, no caso da Varig, a crise do petróleo dos anos 1970-1980 representou papel importante. Sem dúvida. Mas a crise não atingiu só a empresa brasileira. Ao redor do mundo, dezenas de outras companhias sofreram o mesmo impacto. No entanto, nem todas foram a nocaute.

O mesmo se pode dizer agora da Alitalia. A catastrófica situação criada pela pandemia de covid atravancou a vida da empresa. Mas, de novo: a pandemia não veio só para a firma italiana, mas para todas as outras. Muitas já estão retornando a uma situação próxima do normal. A Alitalia caiu antes.

Faz uma década, quando as aéreas se deram conta de que, quanto mais fortes fossem, melhor resistiriam aos ventos contrários, a Alitalia desdenhou da perspectiva de uma fusão com a Air France. Não quis arriscar ver sua “italianidade” se dissolver num casamento arranjado. Diante disso, a Air France juntou os trapos com a KLM e deixou a Alitalia falando sozinha.

O resultado foi essa catástrofe. Não adiantou o Estado italiano injetar um bilhão e 300 mil euros na empresa – quantia considerada ilegal pelas regras da União Europeia. O fim do filme está aí: a sociedade Air France/KLM vai bem, ao que tudo indica. Quanto à Alitalia, não resistiu.

Mas que não seja por isso. No dia seguinte, nova empresa surgiu do nada para tomar o lugar da falecida companhia nacional. Chama-se Ita – reparem só na originalidade. O nome completo é Ita Airways. Começa modestamente. Só vai utilizar uma parte dos aparelhos da empresa que deixou de existir. Vamos ver se, sozinha, consegue resistir contra a concorrência das grandes empresas de baixo custo (em português: low cost companies), como RyanAir e EasyJet, já bem implantadas no continente.

Tanti auguri!

2 pensamentos sobre “Alitalia defuncta est

  1. Bom dia. Excelente artigo. Como entusiasta da aviação desde meus anos mais remotos (meu pai e demais familiares viajavam muito e eu estava sempre em aeroportos, especialmente o de minha cidade natal, onde havia um imenso terraço panorâmico no piso térreo do terminal aeroportuário, onde podíamos ficar bem pertinho dos aviões e acompanhar todas as manobras, o cheiro de querosene de aviação, pousos e decolagens).
    Tenho um amigo italiano que me relatou diversos aspectos que casam-se com a vossa análise sobre o enterro desta prestigiosa companhia aérea italiana:
    (1) uma empresa estatal sempre recebendo aporte financeiro do Estado. Sabemos que não há nada mais fácil do que torrar o dinheiro dos contribuintes, embora as regras da União Europeia vedem esse tipo de prática, muito bem mencionado em vosso artigo;
    (2) funcionários em excesso. O governo italiano sempre pressionou o CEO da Alitalia para evitar quaisquer demissões;
    (3) rotas deficitárias mantidas pela companhia no único intuito de manter ligações com cidades estratégicas em termos governamentais, porém totalmente não lucrativas (torrar dinheiro);
    (4) concorrência acirrada das inúmeras companhias de baixo custo, as quais não podem ser barradas de operar em território italiano, devido a acordos de livre concorrência da Comunidade Europeia;
    (5) má gestão; falta de planejamento estratégico; pandemia.

    Em tempo:
    No artigo, (em inglês: low cost carriers/airlines)

    Curtir

    • Sem ser especialista no assunto, pelo que ouvi de várias fontes, a derrocada da Varig se deveu, em boa parte, a esse tipo de pressões governamentais.

      Parece que, durante anos, figurões viajaram de graça para onde quisessem (especialmente Paris e Nova York), de primeira classe, com caviar e champanhe, sem reservar com antecedência, mandando pra escanteio passageiros que haviam reservado e pagado.

      A repetição desse tipo de interferências indecentes, aliadas às pressões para arrumar emprego para correligionários, acabam por destruir uma empresa. Não há firma que aguente.

      O Estado não é bom gestor de empresa privada. Aliás, pra dizer a verdade, não é bom gestor de empresa nenhuma. Para ter sucesso, um empreendimento tem de ter visão a longo prazo. Os gestores dos grandes conglomerados estão hoje pensando em 2030, 2040, 2050. O Estado está pensando nas próximas eleições. Assim, não dá.

      O resultado são dramas como esse da Alitalia.

      Obrigado pela leitura fiel.

      Curtir

Deixe uma resposta para José Horta Manzano Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s