Escrever é ter esperança

Myrthes Suplicy Vieira (*)

Uma de minhas canções favoritas, inexplicavelmente muito menos conhecida, de Jacques Brel (1), é a que leva o título de “Chanson sans Paroles” [Canção sem palavras]. Nela, ele elabora um acachapante contraponto entre o tempo do sentir – ou, mais precisamente, a perda da noção de tempo que acontece quando se está passando por uma experiência emocional intensa – e o tempo do narrar como a experiência foi sentida.

Num diálogo mental com uma mulher, ele rememora o envolvimento amoroso que teve com ela e declara sua intenção de lhe compor “um longo poema”, no qual lhe falaria “de mil maneiras diferentes” de amor, de fuga da realidade e da sensação de eternidade que os amantes experimentam ao viverem…

Ler mais

(*) Myrthes Suplicy Vieira é psicóloga, escritora e tradutora.

Um pensamento sobre “Escrever é ter esperança

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s