Loser

José Horta Manzano

Ingleses e americanos são bons pra criar expressões de gíria. Não sei se é a língua inglesa que se presta bem a esse contínuo exercício de criação ou se é o espírito do povo que combina com ele. Talvez os dois.

A palavra loser (=perdedor) é substantivo derivado do verbo to lose (=perder). No meio estudantil americano de meados do século 20, o termo loser adquiriu uma acepção insultuosa. Passou a designar não aquele que eventualmente deixa de vencer numa ocasião precisa – como uma partida de xadrez – mas o perdedor infeliz, habitual e contumaz, o indivíduo que não vence nunca e que passa a vida perdendo todas. No falar popular americano, a melhor tradução é fracassado, ofensa doída num país em que a meritocracia é erigida em ideal nacional.

Faz anos que Donald Trump se apresenta como o homem que vence todas, o líder carismático que tem sempre razão e que traz no bolso do colete a solução simples para males complexos; um verdadeiro deus ex machina que há de redimir o país desnorteado e à deriva. Foi assim que vendeu seu peixe e foi com esse discurso que venceu a eleição de 2016.

Quatro anos se passaram. Trump governou de olho nas pesquisas, sempre jogando para a plateia interna, um tanto descolado do fato de presidir a maior potência planetária. Não há de ter desagradado tanto assim, visto que, na corrida para o segundo mandato, recebeu mais de 70 milhões de votos. Mas o que conta é o resultado, que lhe foi desfavorável: perdeu a eleição.

O balanço de sua gestão é pra lá de negativo: perdeu a Câmara (House of Representatives) para os democratas; perdeu o Senado também para os democratas; e, pra coroar, perdeu as eleições. O homem perdeu todas! Tornou-se um loser! Um fracassado!

Essa pancada no orgulho está na origem de suas atitudes alucinadas estes últimos tempos. Durante a vida, Donald Trump já deve ter usado inúmeras vezes a palavra loser como insulto. Sentir agora a ofensa na própria carne deve ser insuportável. Loser! Loser! Loser!

2 pensamentos sobre “Loser

  1. Fiquei pensando o dia todo sobre o que você disse neste post e também naquele em que comentava sobre o ato falho de prometer make America great again. É verdade, Trump sofre daquilo que em psicanálise leva o nome de “ferida narcísica”. Ele não consegue compreender porque as pessoas não lhe dão o valor que ele acha que merece. A dor dessa ferida é tão inominável que a pessoa desenvolve uma síndrome compensatória: megalomania, sentimento de ser um visionário a serviço de salvar a humanidade e, mesmo assim, ser crucificado, impulsividade e raiva incontroláveis, voluntarismo exacerbado, etc. Se o quadro lhe parece familiar, sim, estou me referindo também ao nosso Messias. São almas gêmeas não só no estilo de (des)governar (o presidente sou eu, porra) mas também e principalmente no sentido de que todas as suas empreitadas estão destinadas ao mais retumbante fracasso. Confesso que senti até um certo alívio com a mais nova “ameaça” do Mito. A continuar nessa linha de confronto aberto com todos os seus inimigos imaginários, ele não chega nem ao fim do primeiro mandato, que dirá do sucesso em 2022.

    Curtido por 1 pessoa

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s