No friends

José Horta Manzano

No original, a frase era Nations have no permanent friends or allies, they only have permanent interests – As nações não têm amigos ou aliados permanentes, têm somente interesses permanentes”. O autor é Henry John Temple (1784-1865), aristocrata e político britânico que passou à história como Lord Palmerston. A frase foi forjada numa época guerreira, em que as alianças entre nações eram de suprema importância. Por isso o termo ‘aliados’ aparece. Hoje, alianças não têm o mesmo peso.

Cem anos depois de Lord Palmerston, o general De Gaulle tomou emprestada a frase e desempoeirou: “La France n’a pas d’amis, elle n’a que des intérêts – A França não tem amigos, ela só tem interesses”. Desapareceram os aliados, mas ficou o que era importante. Aproveitando a deixa, podemos generalizar: “Países não têm amigos, só tem interesses”. Dito assim, o raciocínio serve para todos os países, Brasil incluído. Então, vamos lá: “O Brasil não têm amigos, só tem interesses”.

Algo me diz que doutor Bolsonaro não entendeu o recado. Faltou base cultural. Pior: por ter escolhido assessores que lhe são semelhantes, não conta com ninguém que lhe abra os olhos para o perigo que esse escandaloso namoro com os EUA representa. Entrega total é conceito válido pra um casal de humanos; subserviência entre nações não faz sentido.

Nosso presidente está jogando esforço fora. Ele ainda não verbalizou, mas fica a impressão de que seu sonho é transformar o Brasil num imenso Porto Rico, um Estado ‘associado’ aos EUA. Isso é puro delírio. Bolsonaro não está sendo fiel à Constituição que jurou cumprir. Está abrindo mão de importantes interesses do Estado brasileiro. Amizades passam, assim como Trump e Bolsonaro passarão. Interesses são permanentes.

A argúcia não é a qualidade maior de nosso presidente. Ele não se deu conta de que o ‘amigo’ Trump é homem duro, inflexível, ferrenho, espinhoso, implacável, de trato difícil. Não é o tipo de pessoa que se derrete com um sorriso e um tapinha nas costas. Ainda ontem, Trump tratou o dirigente-mor chinês, Xi Jinping, de “great leader – grande líder”. O chinês conduz seu país com mão de ferro. Trump respeita gente forte e despreza fracotes. Não é lambendo-lhe as botas que Bolsonaro se tornará simpático. Isso vale também para os bolsonarinhos.

Nestas últimas semanas, doutor Bolsonaro conseguiu arrumar briga com a França, a Argentina, a Noruega, a Alemanha, a Dinamarca. Os interesses do Estado brasileiro estão sendo pisoteados pra ceder lugar à paranoia presidencial. Não pode. Isso ainda vai acabar mal.

O Brasil não têm amigos, só tem interesses. Que têm de ser respeitados pelo presidente!

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s