Mãe analfabeta

José Horta Manzano

Tirei esta frase do editorial do Estadão deste domingo:

“Se o recorte for feito, por exemplo, entre jovens negros, residentes em áreas rurais do Nordeste e que a mãe é analfabeta, apenas 8% concluíram o ensino médio até os 18 anos.”

Muitos escribas, seja pra dar prova de maior proximidade com o leitor, seja por outra razão qualquer, reproduzem na escrita a linguagem oral. É um recurso de estilo muito útil, que este blogueiro usa com frequência.

Como sabemos, o português brasileiro apresenta crescente afastamento entre a escrita e a oralidade. Na verdade, ninguém aprende em casa o português dito “certo” ou “correto”. A língua materna de todos nós não tem nome, mas qualquer um concordará: ela é diferente da língua escrita. Esse não é um fenômeno universal. Em países como a França, a Inglaterra, a Alemanha, a Suécia e tantos outros, a língua falada coincide com a escrita. Se diferenças há, elas se limitam a uma ou outra expressão familiar ou coloquial.

O respeito e o receio que nos inspira a língua culta vem do fato de nos sentirmos inseguros ao lidar com ela. Seria exagero classificar o português culto como língua estrangeira, mas a forma erudita não nos é nada familiar. Pra manejá-la, temos de calçar luvas, usar pinças e trabalhar com muito cuidado.

Em outras terras, o único problema de quem escreve é a ortografia, dificuldade que qualquer corretor automático elimina. Fora isso, quem escreve pode soltar as amarras. Basta escrever como está acostumado a falar, que vai dar certo. Uma delícia que nós outros não conhecemos.

Em contexto informal, o uso de fórmulas coloquiais na escrita é permitido. No editorial de um jornal de referência, cai mal. Pois foi o que fez o Estadão hoje, na frase que destaquei no alto desta página. Convido o distinto leitor a relê-la. Todo o mundo entende, é verdade, mas não é assim que se deve escrever em português culto. A frase é torturada. Pega mal, principalmente inserida em editorial que se alarma com os índices de evasão escolar.

Na linguagem oral, faz muito tempo que o pronome “cujo” desapareceu. Mesmo na escrita, só aparece raramente. Quem escreve, sempre dá um jeito de torcer a frase pra evitar usá-lo. Tivesse sido usado na frase do Estadão, teria aliviado a tortura – que, todos sabem, é proibida pela Constituição!

A frase do jornal reproduziu o formato popular que substituiu o “cujo” pelo “que”. É o que ocorre em frases como:

Aquela moça que o pai morreu (= moça cujo pai morreu)

O livro que a capa estragou (livro cuja capa estragou)

O carro que a porta caiu (carro cuja porta caiu)

No artigo do jornal, mesmo sem o “cujo” teria sido possível evitar essa reprodução da fala popular. Poderiam ter escrito:

“Se o recorte for feito, por exemplo, entre jovens nordestinos negros, com mãe analfabeta e residentes em áreas rurais, (vai-se constatar que) apenas 8% concluíram o ensino médio até os 18 anos.”

Há outras possibilidades de revirar a frase sem escorregar da forma culta para a coloquial. É sempre a mesma história: pra quem sabe, é fácil; pra quem não sabe, é mistério insondável.

Dê-me sua opinião. Evite palavras ofensivas. A melhor maneira de mostrar desprezo é calar-se e virar a página.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s